13 de junho de 2015 • 2:01 am

Economia

Em meio a crise da cana, o milho aparece como uma nova alternativa no Estado

A diversificação de culturas é a proposta da Secretaria de Agricultura do Estado

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
Milho: uma nova alternativa

Milho: uma nova alternativa

Diante da crise da cana de açúcar no Estado, mais do que nunca os produtores buscam a diversificação das culturas. Assim como o eucalipto já é uma nova alternativa, o homem no campo já pensa em retomar a produçao de milho em larga escala. Neste sentido, há incentivos da Secretaria da Agricultura do Estado, que criou uma comissão de incentivo a produção de grãos.

Segundo o Secretário de Agricultura, Álvaro Vasconcelos,  o Governo de Alagoas garante sua presença junto ao setor e incentivará, por meio de parcerias, o crescimento da produção. Ele visitou uma em Quebrangulo onde ocorreu a demonstração do plantio  de milho no sistema convencional e direto. “No convencional é feita a aragem. No direto, não há essa necessidade, se desseca o material verde e, a partir daí, se faz o plantio. É uma tecnologia nova e que tem dado bons resultados”, informa o produtor rural Marcelo Lima.

Instituições financeiras como Banco do Brasil e Banco do Nordeste acompanharam o secretário na visita. Os bancos avaliam que  Alagoas tem potencial para aumentar a produção de milho, que atualmente é de apenas 25 mil toneladas, enquanto o consumo interno chega a 550 mil toneladas.

“O Banco do Nordeste acredita nesse segmento e será um dos parceiros. O nosso potencial econômico precisa ser ampliado e não ficar dependente do setor sucroenergético. Quero parabenizar o secretário Álvaro Vasconcelos pela proposta de buscar a diversificação de culturas, tendo o grão como um dos destaques”, diz o superintendente do Banco do Nordeste, Antônio César de Santana.

O superintendente estadual do Banco do Brasil, Marcus Augusto Ticianeli, aponta a diversificação de culturas como fortalecedor da economia local. “Não é parar com a produção de cana, mas ter na diversidade agrícola a oportunidade de crescer e garantir melhores condições para o Estado, principalmente nos momentos de crise”, disse.

 

 

 

 

Deixe o seu comentário