30 de maio de 2017 • 8:36 am

Brasil

Empresas de Collor são as que mais devem a Receita Federal: R$ 143 milhões

Levantamento diz que deputados e senadores devem R$ 879 milhões e parlamentares querem anistia de 90%

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Um levantamento do portal Poder360 diz que o senador Fernando Collor de Mello é o parlamentar brasileiro que mais deve à Receita Federal. No total, deputados e senadores devem à União R$ 876,6 milhões, incluindo as empresas às quais estão ligados. A dívida atribuída a Collor ultrapassa R$ 143 milhões.

Collor e as dívidas da empresas.

A informação está na correção de um relatório da PGFN (Procuradoria Geral da Fazenda Nacional). Ao todo, 183 deputados e senadores têm algum tipo de débito com o governo federal.

Atualmente, o Congresso Nacional analisa a medida provisória do Refis. O texto permite às empresas endividadas renegociar suas dívidas. Os parlamentares defendem anistia dos débitos em torno de 90%. A MP foi editada pelo Presidente Michel Temer e deverá ser votada nesta semana

O dado equivocado, divulgado no começo de maio, havia estimado em R$ 878 milhões as dívidas dos congressistas, sem contar as dívidas de empresas. No novo estudo, o mesmo critério registra débitos totais de “apenas” R$ 272,7 milhões.

No novo levantamento, a PGFN também incluiu informações sobre a parcela dos débitos que está regularizada (em pagamento ou renegociada). São R$ 337,3 milhões, ou 38% do total.

O estudo traz ainda a relação de devedores que fizeram doações a congressistas.

Quem deve mais – Ao todo, são 152 deputados e 31 senadores com algum tipo de dívida, segundo a PGFN.

A maior parte da dívida de Collor é atribuída a TV Gazeta de Alagoas, afiliada da Rede Globo de Televisão, da qual o senador é sócio. São R$ 88,5 milhões, sendo R$ 84,9 considerados irregulares pela PGFN. Collor não tem dívidas irregulares em nome próprio.

Zeze Perrella (PMDB-MG) responde por R$ 72,2 milhões. A dívida é de uma empresa relacionada a Zeze. Do total, R$ 62 milhões são considerados irregulares.

Deixe o seu comentário