11 de maio de 2016 • 3:09 pm

Blogs » Educação » Fátima Almeida

Enfim, prédio antigo da Educação entra em reforma. Cães já foram retirados

Local será transformado num centro de referência em formação profissional

Por: Fátima Almeida
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Prédio foi desocupado e cercado (Fotos: Cortesia / Armando Durval)

Prédio foi desocupado e cercado (Foto: Cortesia / Armando Durval)

Enfim uma boa notícia! O antigo prédio da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), na Rua Barão de Alagoas, no Centro de Maceió, que estava há meses entregue aos cachorros, começa a ser recuperado. Pelo menos é isso que a secretaria garante que tem por traz do tapume instalado no local há poucos dias. Numa negociação bem sucedida, o prédio foi desocupado e será transformado num Centro de Referência em Formação Profissional, segundo informou a assessoria do órgão.

Convenhamos, função bem mais compatível com a história do casarão, que além da sede da Secretaria da Educação, já abrigou as mais tradicionais escolas públicas de Alagoas, como o Colégio Estadual e o Lyceu Alagoano, por cujos bancos passaram grandes intelectuais do Estado. Fechado desde 2012, ainda no governo Teotonio Vilela, por problemas estruturais, o prédio passou todos esses anos abandonado à própria sorte e à ação do tempo.

Viveu muitas promessas de reforma e recuperação, foi depredado, parte da sua estrutura desabou; virou antro de prostituição e usuários de drogas por algum tempo e mais recentemente foi transformado em abrigo para mais de 50 cachorros, conforme mostramos aqui (http://eassim.net/predio-antigo-da-secretaria-da-educacao-esta-entregue-aos-cachorros/).

Casarão foi ocupado por cachorros (Foto Ricardo Lêdo - cortesia)

Durante algum tempo, o casarão foi ocupado por cachorros (Foto Ricardo Lêdo – cortesia)

Para que a obra fosse iniciada, a saída dos cães também foi negociada. De acordo com a assessoria da Seduc, eles foram vacinados, castrados e vermifugados, numa parceria com o Centro de Zoonozes do Município, e  levados por uma clínica particular, com despesas pagas pela construtora, até que sejam entregues ao dono – que os colocou no prédio da Educação.

A Secretaria ainda não divulgou os custos da obra, mas afirmou, por meio da assessoria, que será custeada com recursos da própria Educação. Também não foi confirmado o tempo de execução. Mas saber que finalmente os olhos do Poder Público se voltaram para o arcabouço abandonado do prédio histórico, já é um bom começo.

Que assim seja!

Deixe o seu comentário