19 de novembro de 2015 • 3:47 pm

Maceió

Entidades repudiam secretário Nonô e o chamam de ‘preconceituoso’

Em nota oficial, as entidades acusam erros na gestão da saúde municipal e denunciam improbidade na Prefeitura de Maceió

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

A divulgação de um áudio em que o Secretário Municipal de Saúde, José Thomás Nonô,  do governo Rui Palmeira (PSDB), chama um servidor público de “vagabundo” e o manda levantar da cadeira e ir trabalhar, gerou insatisfações entre as entidades de classes no serviço público. O Sindicato dos Servidores da Saúde e a Central Única dos Trabalhadores (CUT) lançaram nota de repúdio contra Nonô.

A nota diz que o secretário e ex-vice governador do Estado apresentou uma postura “ofensiva e preconceituosa”. Diz ainda que ele ao ameaçar transformar a vida dos servidores públicos “em um verdadeiro inferno” só fez  demonstrar “não ter a menor preocupação em apresentar uma postura agressiva, antiética e arbitrário, características em geral encontradas em ditadores”.

Confira a íntegra da  nota:

 

NOTA DE REPÚDIO

O Sindicato dos Servidores da Secretária Municipal de Saúde do Município de Maceió – Sindsaúde. entidade sindical, filiada a CUT que também subscreve esta nota, que lutam em defesa do Serviço Público de Saúde com qualidade e Valorização dos Profissionais em Saúde vem, por meio desta, REPUDIAR a forma ofensiva e preconceituosa com que o Secretário de Saúde, Sr. José Thomaz Nonô que se referiu aos Trabalhadores da Rede Municipal de Saúde, em especial aos profissionais do PSF, em reunião com os Diretores das Unidades de Saúde.

Em Áudio GRAVADO CLANDESTINAMENTE, POR UM PARTICIPANTE, em reunião realizada recentemente com dos Diretores de Unidades de Saúde, o Sr. Secretário apresentou uma postura agressiva e preconceituosa, ao relatar uma de suas visitas as unidades de saúde, encontrou um servidor com tatuagens e brinco e que por conta disso seria um ser humano “exótico”. E, diz, “se te pegar, novamente aqui, sem trabalhar, arranco suas tatuagens”. O mesmo demonstra não ter a menor preocupação em apresentar uma postura agressiva, antiética, arbitrário e preconceituosa, características em geral encontradas em ditadores.

Continua, ainda em seu relato, informando aos presentes que se indigna com o salário dos servidores, esquecendo que também é servidor público (aposentado) com alto salário se comparado aos servidores da saúde. O mesmo, também esquece, e não se indignou, quando Deputado Federal e Presidente da Câmara Federal, o fato de receber diversas verbas, E, estando, juntamente com seus colegas Deputados Federais, entre os Políticos Mais CAROS do Mundo. Isso nunca foi motivo de indignação pelo secretario.

Por fim, durante o restante de seu relato, continuou apresentando uma postura incompatível com o cargo que hoje ocupa. Chegando a informar que fará da vida de alguns servidores um “VERDADEIRO INFERNO e, aquele que não estiver satisfeito procure a iniciativa privada”. Todo esse discurso gerou grande preocupação e indignação aos servidores da saúde em geral. Isso mostra o total despreparo e desconhecimento do Sr. Secretario de Saúde, pois o mesmo talvez ainda não saiba da real situação que se encontram a maioria das Unidades de Saúde, totalmente sucateadas, sem estrutura física, faltando mobiliário, material de expediente, e mesmo assim o servidor consegue prestar o serviço a população. Em alguns casos os servidores tiram dinheiro do próprio bolso para poder conseguir realizar algumas ações mínimas dentro das unidades.

É, inadmissível, aceitarmos a alegação que a atual situação que passa a Saúde de Maceió, seria por culpa dos trabalhadores. Esses sim, que veem sendo submetidos diariamente a situações degradantes devido à precariedade das unidades, a falta de equipamentos em geral, e de proteção, e, também de insumos básicos para o atendimento dos usuários.
Não aceitamos as condições de precariedade que vem sendo tratados os milhares de usuários do SUS, que precisam do serviço público de saúde e que rotineiramente sofrem sem atendimento por falta de materiais para a realização de procedimentos cirúrgicos, falta de medicamentos, insumos e vacinas para realizarem o seu tratamento, falta de instalações e acomodações adequadas para o seu atendimento, chegando ao descaso de serem submetidos a serem atendidos nos corredores, ou em um local improvisado que expõe todos os pacientes a diversos tipos de situações.

Por isso, estes Sindicatos por meio seus representantes, vem declarar que não aceitam mais medidas paliativas para as diversas ocorrências que vem acontecendo dentro das unidades de saúde, pois queremos planejamentos, medidas que venham suprir definitivamente as necessidades básicas dos usuários e profissionais de saúde, queremos condições para executar nossas atividades com qualidade e segurança. Entendemos que a atual situação da Saúde Pública do Município, foi causada por diversas decisões ERRADAS da GESTÃO MUNICIPAL, algumas inclusive motivo de ações de improbidade para esses gestores, que estão sendo investigados pelo próprio Ministério Público, devido ao dano para a coletividade (usuários e servidores).

Assim, queremos declarar a todos os servidores e a população do Município de Maceió que estas entidades estão buscando de forma incessante a resolução dos problemas caóticos que a saúde pública vem enfrentando diariamente e que continuaremos cobrando das autoridades competentes que sejam resolvidos os problemas de gestão da saúde pública maceioense e não colocado o servidor público como BODE EXPIATÓRIO.

 

Deixe o seu comentário