14 de maio de 2015 • 10:28 pm

Cotidiano

Especulação imobiliária no entorno do lixão gera preocupação na Câmara

Debate sobre os empreendimentos na área será feito em audiência pública pelos vereadores de Maceió

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

A expansão imobiliária na área do antigo lixão de Maceió surge como uma preocupação a mais para a sociedade e os ógãos fiscalizadores. Tanto é assim que a Comissão de Defesa do Meio Ambiente da Câmara de Maceió promove nesta sexta-feira (15), às 15 horas, uma audiência na Casa de Mário Guimarães, para debater a questão.

As empresas que atuam na coleta de lixo na capital, e no mercado imobiliário, foram convidadas para o debate.

Os vereadores Silvânio Barbosa (PSB), Guilherme Soares (PROS) e Sílvio Camêlo (PV) ficaram preocupados após o desabamento de uma cortina de proteção de barreira, em um terreno particular localizado próximo ao shopping do bairro, no último dia 7. A queda de uma parte da obra chamou a atenção de pessoas que transitavam pela Avenida Josepha de Melo e deixou um caminhão parcialmente soterrado.

“A Defesa Civil de Maceió já revelou que as cortinas cederam por uma falha na construção e o IMA suspeita de algum tipo de instabilidade do solo, devido às características do local, além do acúmulo de gases e chorume, o que só reforça nossa preocupação”, afirmou Silvânio Barbosa, que preside a comissão.

Foram convidados para o debate representantes da construtora responsável pela obra, da Viva Ambiental, empresa responsável pela gestão do antigo lixão, do Instituto do Meio Ambiente (IMA), da Superintendência Municipal de Controle e Convívio Urbano (SMCCU), da Secretaria Municipal de Proteção do Meio Ambiente (Sempma), da Superintendência de Limpeza Urbana de Maceió (Slum) e do Parque Shopping Maceió.

No lugar do acidente está sendo construído um condomínio de prédios residenciais. “Nós queremos encontrar mecanismos para evitar novas erosões que coloquem em risco a vida dos trabalhadores, além de impedir novos impactos ambientais e promover a recuperação da área degradada”, disse o vereador.

 

Deixe o seu comentário