21 de novembro de 2016 • 9:46 am

Interior

Estados envolvem 400 profissionais para ação de salvamento do São Francisco

A missão é salvaguardar o velho Chico, seu ecossistema e a vida ribeirinha

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Mais de 400 profissionais participam da Fiscalização Preventiva Integrada do São Francisco da Tríplice Divisa (FPI), que envolve os estados de Alagoas, Bahia e Sergipe. Eles são promotores de Justiça, procuradores da República, procuradores do trabalho e técnicos de 56 instituições e entidades que decidiram formar uma grande força-tarefa na tentativa de salvar o rio São Francisco nos três Estados.

FPI: nova operação em nome do rio.

FPI: nova operação em nome do rio.

A operação da  FPI também tem a missão de cuidar da saúde e da segurança do trabalho dos ribeirinhos e dos patrimônios natural e cultural dos municípios que integram a Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco.

Nesta primeira FPI conjunta, os trabalhos serão coordenados pelas unidades do Ministério Público Estadual e Federal de Alagoas, Bahia e Sergipe e pelo Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco. Na metodologia de trabalho, cada estado estuda quais são os tipos de degradação ambiental mais comuns na sua região e, a partir daí, aponta os alvos que serão fiscalizados.

Início – A FPI começou  em 2002, na Bahia, após os Ministérios Públicos e órgãos na Bahia constatarem diversas causas e danos que estavam contribuindo para a morte do rio e gerando um prejuízo gigantesco à saúde dos moradores que residem às margens do Velho Chico e nos municípios que fazem parte da Bacia Hidrográfica.

Inspirado nesse mesmo projeto, o Ministério Público Estadual de Alagoas resolveu também implantar uma FPI em 2014 e, neste mês de novembro, chega à 6ª etapa. Na sequência, Sergipe se juntou ao mutirão e hoje os Estados atuam  irmanados no propósito de salvaguardar o São Francisco, o seu ecossistema e a vida de todas aquelas pessoas que, de uma forma ou de outra, dependem daquele curso d’água.

Em Alagoas, a FPI tem a coordenação da promotora de Justiça Lavínia Fragoso. Aqui os trabalhos são desenvolvidos com o apoio de 22 instituições e entidades governamentais e da sociedade civil organizada com atuação comprovada na área do meio ambiente.

Deixe o seu comentário