17 de outubro de 2016 • 5:36 pm

Economia

Estrangeiros querem produzir uva às margens do canal do sertão

Atualmente, os empresários já investem no estado de Santa Catarina.

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Graças ao canal do sertão, o semiárido alagoano despertou o interesse de grupos estrangeiros que pretendem instalar suas empresas no Estado

O canal: a maior obra hídrica do PAC 2

Terras do sertão na mira da estrangeiros

Na relação estão grupos empresariais da Itália, Londres e Israel. Pelo menos foi o que divulgou a Secretaria de Agricultura do Estado que manteve contatos com os representantes desses grupos.

O representante dos grupos das empresas internacionais, Uverlan Harchoffer, manteve contato com o superintendente do Desenvolvimento Agrário da Seagri, Hibernon Cavalcante, e com o superintendente de Irrigação, Sílvio Romero.

No encontro foi discutida a disponibilidade de terras, valores por hectares, política de gastos e oferta de água ao longo do Canal do Sertão, densidade demográfica, entre outras questões.

Os técnicos da Seagri informaram que o Governo de Alagoas já disponibiliza água em 105 quilômetros do Canal do Sertão, beneficiando vários municípios, a exemplo de Delmiro Gouveia, Água Branca, Senador Rui Palmeira, São José da Tapera e Inhapi.

O consultor Uverlan Harchoffer explicou que uma empresa da Itália pretende instalar uma vinícola na região, para a produção de vinhos tipo exportação, bem como para a produção de uvas para consumo interno e externo.

“Vamos tratar inicialmente das propostas de intenções entre o Governo de Alagoas, por meio da Seagri, e as empresas interessadas em investir no Sertão alagoano”, explica Uverlan Harchoffer. Segundo ele, as partes irão preparar um projeto para avaliação das demandas.

Investidores de Londres, segundo Uverlan Harchoffer, pretendem instalar uma empresa voltada à produção de grãos, como milho, feijão, arroz e soja, tipo exportação. Atualmente, os empresários já investem no estado de Santa Catarina.

O consultor informou ainda que também há interesse por parte de investidores de Israel na implantação de uma empresa voltada para as áreas de caprinocultura e piscicultura, também no Sertão de Alagoas.

Somente com a instalação da empresa de produção de uvas e de vinhos para exportação, a expectativa é de geração de, aproximadamente, três mil empregos diretos.

Dentro de 30 dias, a equipe da Seagri fará uma visita de reconhecimento no trecho do Canal do Sertão, com os representantes das empresas no Brasi

Deixe o seu comentário