17 de fevereiro de 2017 • 5:46 pm

Brasil

Ex-ministro do STF recusa convite de Temer para assumir Ministério

Elegante, o ex-ministro Carlos Velloso alegou questões profissionais para não assumir Ministério da Justiça

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Velloso comunicou agora há pouco ao presidente Michel Temer a sua recusa em aceitar o cargo de ministro da Justiça. O processo de escolha do novo ministro, em substituição a Alexandre de Moraes, que foi indicado para o Supremo, colta agora à estaca zero. A informação foi dada agora pela Globo News.

Com a recusa do notável Velloso, o PMDB deve voltar à carga para indicar o nome do novo ministro. A bancada de Minas Gerais também procura indicar o titular do cargo.

Com elegância, Velloso teria desistido do cargo por questões profissionais. Ele teria que romper contratos do seu escritório de advocacia para assumir a nova função. A pressão familiar também teria pesado na decisão, já que o ex-ministro assumiria um cargo estratégico no governo, num momento de turbulência por causa de revoltar em presídios em vários estados.

Veja abaixo nota do ex-ministro Velloso à imprensa

Comunicado à imprensa

Comuniquei, hoje, ao Sr. Presidente da República, a impossibilidade de aceitar o seu convite para ocupar o honroso cargo de Ministro de Estado da Justiça. Não obstante meu desejo pessoal de contribuir com o país, neste momento tão delicado, compromissos de natureza profissional e, sobretudo, éticos, levam-me a adotar esta decisão. É que acredito no adágio “pacta sunt servanda” (o contrato é lei entre os contratantes), pilar do princípio da segurança jurídica.

Continuarei à disposição do Presidente Temer, amigo de cerca de 40 anos, para auxiliá-lo de outra forma, na missão que o destino conferiu ao consagrado constitucionalista de recolocar o Brasil nos trilhos do desenvolvimento econômico, com justiça social. 51 anos de serviço público e, dentre estes, 40 de magistratura, deixam-me seguro de que dei a minha cota de serviço à causa pública.

Deixe o seu comentário