17 de outubro de 2017 • 12:30 pm

Justiça » Violência

Gaspar: João Beltrão é o braço político do crime organizado

Declaração foi feita a partir dos autos da denúncia em que o deputado é acusado de mandar matar o cabo Gonçalves

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

O procurador Geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça, que funcionou como promotor de justiça  na primeira instância, na denúncia contra o deputado estadual João Beltrão, sustentou  nesta terça-feira, 17, que o parlamentar é o mandante do assassinato do ex-Cabo Gonçalves.

Gaspar: na acusação a Beltrão

Segundo ele, o cabo foi apenas mais um dos que tombaram a mando de João Beltrão. O procurador disse que em 1994 ficou provado que “João Beltrão e o coronel Manoel Cavalcante eram dois criminosos”, a partir de depoimento do cabo à justiça.

Disse o procurador que Beltrão foi apontado como o braço político do crime organizado em Alagoas, com o controle da Gang Fardada que atuava no Estado, formada por inúmeros policiais militares.

Disse ele que há indícios fortes nos autos que o deputado João Beltrão é um líder criminoso. Ampliou dizendo que o denunciado é a personificação do crime organizado no Estado, sempre lembrando que as provas nos autos retratam o fato.

O Procurador fez um relato, a partir do depoimento do Cabo Gonçalves em 1994, de 15 assassinatos em que João Beltrão, segundo a fala do Gaspar, foi o responsável direto. Lamentou que os crimes não tenham sido apurados.

Ele disse que para a Justiça alagoana começar apurar crimes de mandantes importantes no Estado foi preciso um desembargador ser refém, para em seguida criar um Grupo de Combate ao Crime Organizado dentro da instituição, que, inicialmente, foi coordenado pelo juiz Diógenes Tenório.

“Podem pintar o preto de branco, mas João Beltrão é autor do crime do cabo Gonçalves, como mandante, apostando no manto da impunidade. É hora de acabar com isso. É preciso condenar João Beltrão Siqueira por um crime duplamente qualificado por que o tempo da impunidade acabou”, disse o procurador.

 

Deixe o seu comentário