7 de agosto de 2017 • 12:02 pm

Brasil

Gilmar Mendes: ‘espero que a PGR recupere o mínimo de decência e normalidade’

No jantar com Temer, Gilmar reafirmou que o Direito no País é uma bagunça completa

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes jantou outra vez, na noite de domingo (6), com o presidente Michel Temer, no Palácio Jaburu.

Gilmar Mendes: mais críticas à PGR

A pauta do encontro seria a reforma política. Mas, a discussão girou em torno das expectativas de que novas denúncias sejam apresentadas pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Temer.

Ainda no domingo, Gilmar Mendes afirmou ao Estado/Broadcast que STF ficou a reboque da Procuradoria-Geral da República (PGR) no caso da Lava Jato e desejou ao procurador-geral Rodrigo Janot “uma boa viagem”. Janot encerra seu mandato no mês que vem.

Com a mudança, ele espera que a PGR recupere “um mínimo de decência e normalidade”, a partir do comando da ova chefa Raquel Dodge, que assume em 17 de setembro.

“Ele [Janot] perdeu todas as condições de equilíbrio para continuar exercendo o cargo. Infelizmente, o sistema permite isso. Eu tenho criticado o Supremo Tribunal Federal, que ficou a reboque de impulsos do procurador-geral, permitindo a violação da lei de delação e uma série de abusos nessa área. Estamos fazendo uma rediscussão sobre esse tema. Certamente, o Tribunal vai acertar o passo. Acho que haverá o restabelecimento da normalidade na relação do Tribunal com a PGR”, disse o ministro.

Gilmar Mendes tem dirigido duras críticas a Janot. Logo após o fim do recesso Judiciário, ele afirmou que o direito processual penal brasileiro se tornou “um baguncismo”, e que o próprio STF é um dos culpados.

“Tudo isso que já falei: doutrina de Curitiba [em referência à Operação Lava Jato], doutrina Janot [Rodrigo Janot, atual procurador-geral da República], isso não tem nada a ver com direito, é uma loucura completa que se estabeleceu. É uma bagunça completa”, disse Mendes antes de entrar para a sessão da Segunda Turma do STF.

Deixe o seu comentário