11 de setembro de 2017 • 7:31 am

Brasil » Corrupção

Governo monta estratégia para atacar as delações da Lava Jato

Temer vai usar CPI no congresso para desacreditar a operação

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O Palácio do Planalto decidiu atacar as delações da Operação Lava Jato, para livrar o presidente Michel Temer de novas denúncias que estão sendo feitas.

A ordem no Palácio foi dada aos líderes das bancadas aliadas que atuem no escudo de proteção para que Temer continue no cargo com seus aliados.

Estratégia – Para evitar as delações, a estratégia montada foi transformar a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPI) que vai investigar operações da JBS em uma arma contra os delatores da Lava Jato.

À espera de que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresente nesta semana uma nova denúncia contra o presidente Michel Temer, a base aliada vai atacar os últimos acordos de colaboração premiada, que atingiram a cúpula do governo e o PMDB.

Reforçada pela prisão, ontem, do empresário Joesley Batista, do Grupo J&F, que controla a JBS, e do executivo Ricardo Saud, a ideia é pôr em xeque as delações fechadas sob Janot, incluindo a do corretor Lúcio Funaro. O depoimento de Funaro deve servir de “gancho” para mais uma acusação contra Temer, investigado pelo Ministério Público Federal por organização criminosa e obstrução da Justiça.

Janot deixa o cargo no dia 17 e será substituído por Raquel Dodge. Embora o Planalto aposte nessa troca para que a Lava Jato tome “outro rumo”, a ordem é desqualificar tudo o que foi feito até agora pelo procurador-geral. O argumento do governo é de que a delação da J&F é “fajuta” e, como uma árvore podre, contamina os “frutos”.

 

Deixe o seu comentário