25 de Abril de 2016 • 12:14 pm

Educação

Governo não atende Justiça e pede novo prazo para quantificar vagas na Educação e nomear professores

Termina hoje o prazo dado pela Justiça para que o governo do Estado apresente um cronograma de nomeações dos aprovados em concurso para o cargo de professor. Mas, em reunião…

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
O secretário Fábio Farias pediu novo prazo para atender à solicitação do Judiciário. Foto: Caio Loureiro/AscomTJAL

O secretário Fábio Farias pediu novo prazo para atender à solicitação do Judiciário. Foto: Caio Loureiro/AscomTJAL

Termina hoje o prazo dado pela Justiça para que o governo do Estado apresente um cronograma de nomeações dos aprovados em concurso para o cargo de professor. Mas, em reunião esta manhã, no gabinete do presidente do Tribunal de Justiça (TJAL), desembargador Washington Luiz, o secretário do Gabinete Civil, Fábio Farias, já adiantou que o governo ainda não sabe qual o número de vagas disponíveis.

O governo deveria apresentar à Justiça um relatório mostrando a quantidade de professores afastados e monitores contratados. Entretanto, apresentou pedido de novo prazo para encaminhar as informações,  solicitadas na ação judicial que determina as nomeações. A ação foi impetrada em 2013 pelos aprovados no concurso para a Secretaria de Educação.

A justificativa, disse o secretário Fábio Farias, que representou o secretário dessa pasta, Luciano Barbosa, é a complexidade do levantamento, que inclui avaliação do impacto que as nomeações vão provocar nas finanças do Estado.

Ao afirmar que a intenção do Judiciário é contribuir para que os cargos vagos na Educação sejam preenchidos devidamente, o desembargador Washington Luiz concedeu o prazo solicitado, marcando uma nova audiência para o dia 19 de maio próximo, às 9h.

Deixe o seu comentário