2 de setembro de 2015 • 9:12 pm

Cotidiano

Governo reconhece que obra de reparação de esgotos é muito complexa

TCU investiga detalhes da obra malfeita para apurar responsabilidades.

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Com a obra malfeita o esgoto extravasa.

Com a obra malfeita o esgoto extravasa.

O governo de Calheiros Filho, através de seus técnicos, reconhece que a obra de reparação do esgotamento sanitário da bacia da Pajuçara é muito complexa. Durante entrevista, a engenheira Silvia  destacou que ” é  uma obra bem complicada, visto que está sendo colocada uma tubulação de 1.100 milímetros, numa profundidade de aproximadamente 6 metros. É uma obra lenta, que infelizmente foi atrapalhada pela chuva”.

Essa obra na verdade foi programada para consertar o malfeito da Secretaria de Infarestrutura do governo passado, que após gastar mais de R$ 50 milhões de recursos federais, fez procedimentos errados impunemente – até hoje – e causou uma inundação de esgotos nas ruas da orla de Maceió, no trecho entre a Pajuçara e o bairro da Jatiúca. A obra é de responsabilidade da construtora Telesil.

O governo do Estado foi obrigado a gastar mais R$ 8 milhões para reparar a obra e não há garantia de que os erros sejam realmente consertados. Segundo a engenheira de fiscalização, Silvia Valéria, as obras atrasaram quase dois meses do cronograma devido as chuvas que caíram em Maceió.

– Felizmente, a tendência agora é das chuvas diminuírem e a obra acelerar. Essa é a última etapa da obra. As obras serão finalizadas em novembro e no mês de dezembro já teremos funcionalidade, pois ainda faremos testes da rede, verificaremos se as estações elevatórias estão de fato funcionando e isso leva um mês a 45 dias. Depois de concluída é passada para a Casal [ Companhia de Saneamento de Alagoas], que é quem vai operacionalizar todo o sistema”, disse a superintendente da Seinfra.

Ela ainda ressaltou que embora as obras causem transtornos no trânsito e incômodos a população, é importante lembrar que grandes benefícios virão após a conclusão. “Vamos minimizar consideravelmente as línguas negras. Esse sistema abrange o Stella Maris, Cruz das Almas, Jacarecica, Jatiúca e Pajuçara. Toda essa região vai ficar saneada”, lembrou Silvia.

Sobre o esgotamento sanitário da Baixa Maceió, a superintendente esclareceu que o Tribunal de Contas da União (TCU) está analisando algumas demandas da obra. “Já mandamos todas as repostas ao TCU, algumas foram acatadas e outras estão em análise. O prazo para finalização dessa obra só pode ser concreta após as respostas do TCU, mas acredito que em 30 a 60 dias retomaremos”, explicou.

 

Deixe o seu comentário