11 de agosto de 2016 • 12:14 pm

CINEMA

Hitchcock volta ao cinema, no Arte Pajuçara, com ‘A Mulher Inesquecível’

O drama, com toques de suspense, conta a história de um casal atormentado pelas lembrasnças da falecida primeira esposa do marido, Rebecca

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

joan-fontaine-e-judith-anderson-em-rebecca-a-mulher-inesquecc3advelO primeiro filme de Alfred Hitchcok em Hollywood, Rebecca, A Mulher Inesquecível (1940), pode ser assistido a partir desta quinta-feira (11), no Centro Cultural Arte Pajuçara, na Sessão Arte Clássicos. O longa-metragem conta a história de uma jovem e inocente dama de companhia que se casa com um homem rico e viúvo. Ambos são atormentados pela lembrança de Rebecca, a falecida primeira esposa do marido.

No drama, uma jovem de origem humilde (Joan Fontaine) se casa com um riquíssimo nobre inglês (Laurence Olivier) e, juntos, residem na mansão Manderley. Ele ainda vive atormentado pela morte da primeira mulher em um acidente, enquanto a nova esposa é aterrorizada pelas memórias em torno de Rebecca e se deixa dominar pela governanta da casa.

Em seu livro “ Hitchcock-Truffaut”, o cineasta François Truffaut questiona  Hitchcock sobre este filme: “Está satisfeito com Rebecca?” E o britânico responde: “Não é um filme de Hitchcock. É uma espécie de conto, e a própria história data do século XIX. Era uma história bem velhinha, bem fora de moda. Naquela época havia muitas escritoras: não tenho nada contra, mas Rebecca é uma história sem humor”.

Mais de vinte atrizes fizeram testes para interpretar a esposa do Sr. de Winter (Laurence Olivier), entre elas as atrizes Vivien Leigh e Anne Baxter. Como Vivien Leigh era namorada de Laurence Olivier, ele fez pressão para que ela conseguisse o papel da segunda esposa do Sr. de Winter; mas a jovem atriz Joan Fontaine, então com 22 anos, acabou ficando com o papel, e Olivier passou a tratá-la com frieza nos estúdios, fazendo com que ela se sentisse tímida e deslocada. Como era esse exatamente o sentimento que o diretor desejava que ela passasse para a personagem, Hitchcock ordenou que todos no set a tratassem da mesma forma, para assim obter de Joan uma atuação mais vulnerável ao que pedia o perfil da personagem.

Rebecca teve diversas indicações ao Oscar de 1941 e venceu nas categorias Melhor filme e Melhor fotografia. O longa tem 100% de aprovação da crítica, segundo o site Rotten Tomatoes, algo raro de acontecer em um filme de suspense.

O filme fica em cartaz até domingo (14), sempre às 18h10. A duração é de 2h e 10 minutos.

Confira o trailer:

 

Deixe o seu comentário


Publicidade