31 de março de 2017 • 8:12 am

Cotidiano » Educação

Hoje é dia de paralisação em defesa do trabalho e da Previdência Social

Cepa amanheceu fechado. Transportes coletivos vão parar por três horas, das 9 ao meio-dia.

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Manifestantes mantiveram o Cepa fechado nas primeiras horas da manhã (Foto: Divulgaçao)

O Cepa, maior complexo educacional do estado, amanheceu fechado nesta sexta-feira (31). Os ônibus vão parar por partir das 9h. A Justiça do Trabalho realiza manifestação a partir das 10h, em frente do Tribunal Regional do Trabalho. Aderindo à mobilização nacional, várias categorias paralisam suas atividades, nesta sexta-feira, para protestar contra as reformas da Previdência e do Trabalho, em discussão no governo federal e no Congresso Nacional.

Ontem, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado de Alagoas (Sinttro/AL) anunciou que a categoria vai aderir à paralisação nacional em protesto contra as reformas do Trabalho e da Previdência. De acordo com a decisão da categoria, os ônibus que estiverem transitando pela Praça Centenário, no bairro do Farol, em Maceió, entre às 9h e as 12h desta sexta-feira (31), vão ficar retidos no local.

Os rodoviários devem retornar as atividades após o meio-dia.

No Cepa, o Sindicato dos Auxiliares de Administração Escolar do Estado de Alagoas (SAE-AL) amanheceu com faixas anunciando seu protesto contra o projeto de terceirização, aprovado esta semana pela Câmara de Deputados.

A categoria alega que já é bastante prejudicada pela terceirização e que pode ser extinta, caso os planos do governo, que apontam para o desmonte do serviço público, seja levado à diante.

O complexo educacional permaneceu fechado até as 8h, quando os manifestantes inciaram uma marcha rumo ao Centro da cidade.

JUSTIÇA DO TRABALHO

Em frente à sede do Tribunal Regional do Trabalho, na Avenida da Paz, juízes, advogados, procuradores, servidores do Judiciário, auditores fiscais do Trabalho, sindicatos e entidades da sociedade civil também se mobilizam num ato programado para a manhã desta terça-feira, a partir das 10h, em defesa da Justiça do Trabalho.

A ideia é chamar a atenção da população para a importância desse setor no equilíbrio das relações de trabalho, visando à efetividade dos direitos sociais em sintonia com a necessária preservação da atividade econômica. O ato pretende alertar para a constante ameaça de fragilização da Justiça do Trabalho e dos direitos sociais, por meio da chamada Reforma Trabalhista, cujo projeto de lei tramita na Câmara Federal desde dezembro.

O ato, que acontece em todo o Brasil, também marca o lançamento de uma campanha nacional idealizada pelo Colégio de Presidentes e Corregedores dos Tribunais Regionais do Trabalho (Coleprecor), que tem como objetivo mostrar que os direitos de patrões e empregados só estarão garantidos com uma Justiça do Trabalho forte e atuante. 

Representantes do Ministério Público do Trabalho (MPT), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/AL), associações dos Magistrados e dos Servidores da Justiça do Trabalho da 19ª Região (Amatra e Asstra), Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE), sindicatos dos Servidores do Poder Judiciário Federal e do MPU (Sindjus-AL), e dos Servidores do Poder Judiciário de Alagoas (Serjal), associações  Brasileira e Alagoana dos Advogados Trabalhistas (Abrat e Aatal), Delegacia Sindical dos Auditores Fiscais do Trabalho em Alagoas, Sindicato dos Advogados e várias outras entidades de classe confirmaram presença.

 

Deixe o seu comentário