5 de dezembro de 2016 • 12:52 pm

Saúde

Hospital Helvio Auto normaliza atendimento após receber medicamentos

Unidade informa que já opera normalmente, realizando 100% dos procedimentos para admissão de novos pacientes

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Helvio Auto já normalizou o atendimento - Imagem pública / internet

Helvio Auto já normalizou o atendimento – Imagem pública / internet

Fechado para novos atendimentos desde a quarta-feira passada (30), por falta de medicamentos e outros insumos, o Hospital Escola Dr. Hélvio Auto (HEHA) retomou o atendimento normal a partir do meio-dia desta segunda-feira. Foi o que informou a gerência geral da unidade, em nota pública, após receber  os medicamentos imprescindíveis para admissão de novos pacientes e para garantir a continuidade do tratamento dos que já se encontram internados.

Na nota, o hospital comunica que já opera normalmente, realizando 100% dos seus atendimentos para admissão de novos pacientes, internações, exames agendados, consultas no ambulatório e casos de urgência em seu pronto atendimento. 

O Hélvio Auto é referência para doenças infectocontagiosas em todo o Estado de Alagoas e funciona em regime de urgência com ambulatório 24 horas para atender pacientes encaminhados de outras unidades de saúde.

Na quarta-feira passada, todo o corpo de atendimento da unidade, incluindo as  equipes de medicina, enfermagem, administrativa e de assistência social, suspenderam as atividades, cruzaram os braços e se concentraram na frente do hospital para chamar a atenção da sociedade sobre os problemas que estavam inviabilizando o atendimento à população. Segundo eles, entre os muitos insumos que estavam faltando, o hospital não dispunha, sequer, de luvas e antibióticos, inviabilizando o trabalho dos profissionais.

A paralisação não afetou o atendimento aos pacientes internos, que continuaram recebendo o tratamento e medicação adequados.

Na quinta-feira (1), a Defensoria Pública ameaçou entrar com ação civil pública contra a Universidade de Ciências da Saúde, responsável pelo abastecimento do hospital, e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), à qual o Hélvio Auto é vinculado, caso a situação não fosse normalizada.

Deixe o seu comentário