7 de outubro de 2015 • 3:25 pm

Blogs » Fátima Almeida

Ih, ferrou! Ação no TSE pode impugnar mandato de Dilma

Decisão pela reabertura de Ação de Impugnação de Mandato Eletivo vai demandar muita discussão jurídica, mas pode resultar na cassação da presidente e do vice.

Por: Fátima Almeida
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

A decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que na noite de ontem aprovou, por cinco votos a dois, a reabertura de Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (AIME) contra a presidente Dilma Rousseff e o vice-presidente Michel Temer, vai demandar muita discussão jurídica. Há cotrovérsias sobre a competência do TSE para tanto. Até porque é a primeira vez que uma ação desse tipo acontece. Mas pode resultar na cassação de ambos.

O foco da investigação é o financiamento da campanha que elegeu Dilma e Temer para a presidência da República. E parte de um denúncia feita pelo partido que encabeçou a principal chapa de oposição – o PSDB – cujo candidato, Aécio Neves, disputou o segundo turno contra a chapa governista.

O processo vinha sendo conduzido pela ministra Maria Thereza, que em fevereiro decidiu pelo seu arquivamento. Mas o ministro Gilmar Mendes – o último da safra de indicações de FHC – abriu divergência e defendeu a sua continuidade, sendo acompanhado pela maioria do pleno do TSE, na votação de ontem.

Pesaram na decisão as revelações que surgem com o avanço das investigações da Operação Lava Jato. “Se houve dinheiro de propina sistêmica da Petrobras na campanha eleitoral, isso deve ser investigado (…) “Não podemos permitir que o país se transforme num sindicato de ladrões”, disse o ministro Gilmar Mendes na sua declaração de voto.

E se a confirmação da abertura da AIME é mais uma bomba no já minado campo petista, pior do que isso é o fato de que o processo pode passar a ser conduzido, a partir de agora por ele – o próprio Gilmar Mendes – por ter sido o primeiro a votar pela reabertura da investigação.

A decisão do TSE acontece às vésperas de se completar um ano da eleição. Pelo jeiro, ainda tem muita lenha pra queimar no inferno astral em que mergulhou o governo Dilma.

Deixe o seu comentário