7 de agosto de 2017 • 3:30 pm

Meio Ambiente

IMA flagra crimes ambientais em Delmiro Gouveia e autua responsáveis

Falta de licença de operação, destinação irregular dos restos de raspagem do couro, afluentes não tratados jogados direto ao solo e em um riacho e, ainda, adquirir madeira nativa sem…

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Curtume foi embargado após fiscais flagrarem diversas irregularidades. Fotos: Ascom/IMA

Falta de licença de operação, destinação irregular dos restos de raspagem do couro, afluentes não tratados jogados direto ao solo e em um riacho e, ainda, adquirir madeira nativa sem autorização. Essas irregularidades levaram fiscais do Instituto do Meio Ambiente (IMA/AL), a embargar um curtume, no município de Delmiro Gouveia, durante operação realizada no último final de semana.

A fiscalização encontrou ainda 21 sacos de casca de angico, tipo de madeira usada no tingimento do couro. As multas aplicadas foram superiores a R$ 60 mil.

No mesmo município uma pizzaria foi autuada por adquirir madeira nativa da região da caatinga, popularmente conhecida como jurema, para queima no estabelecimento. Na mesma operação, um papagaio verdadeiro, que era mantido em cativeiro, sem autorização legal, foi apreendido pelos fiscais e encaminhado para o CETAS/IMA/Ibama. O responsável foi autuado e multado, em R$ 500.

Pizzaria foi flagrada usando madeira nativa, de uso proibido.

As equipes de fiscalização também identificaram uma propriedade onde era feita extração mineral (areia), armazenamento de maquinário industrial e descarte ilegal de tonéis e embalagens de produtos oleosos e combustíveis. O responsável pelo local não estava no momento da ação, mas, será notificado e autuado nos próximos dias.

Ave nativa foi apreendida.

Em outras duas propriedades, três fornos de carvão foram demolidos. Embora ausentes, os responsáveis serão autuados.

A equipe de fiscalização IMA contou com o apoio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, de Delmiro, para coibir infrações ambientais, na região.

Deixe o seu comentário