4 de outubro de 2017 • 3:11 pm

Meio Ambiente

IMA/AL: Análise de placas de monitoramento não identificam bioinvasor

As chamadas placas de recrutamento foram colocadas na região do Porto de Maceió como uma medida preventiva para a identificação da presença do coral-sol

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

A equipe do Gerenciamento Costeiro (Gerco), do Instituto do Meio Ambiente do Estado de Alagoas (IMA/AL), concluiu a análise do material encontrado nas placas de monitoramento que foram instaladas na região do Porto de Maceió.

Na análise foram encontradas apenas outras espécies de animais marinhos. Ascom

O intuito é identificar a presença do coral-sol na costa alagoana. Segundo biólogos do Gerco, não há identificação da presença do organismo bioinvasor.

Na análise foram encontradas outras espécies de animais marinhos: poliquetas, moluscos, crustáceos e esponjas, com prevalência do primeiro. Nenhum desses organismos identificados nas análises das placas é caracterizado como organismo bioinvasor.

Ao todo foram instaladas seis placas na região próxima ao Porto de Maceió. As placas continuam submersas e passarão por novas análises periodicamente.

Placas de recrutamento

As chamadas placas de recrutamento foram colocadas na região como uma medida preventiva que o Gerco tem adotado para evitar a infestação desse organismo no litoral de Alagoas. Isso porque já foi observado que o coral-sol vem alastrando sua ocorrência em várias regiões oceânicas brasileira.

Por ser o coral-sol bastante encontrado em cascos de navios e plataformas marinhas de exploração de petróleo, a equipe do Gerco optou por colocar essas placas de metal para servirem de substratos para a fixação do organismo invasor, caso ele ocorra.

Deixe o seu comentário