8 de junho de 2015 • 4:51 pm

Economia

Indústria automobilística ameaça demissão em massa devido a crise na produção

Com a queda da produção, a indústria já colocou 25 mil operários em férias coletivas.

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Queda na produção atinge emprego.

Queda na produção atinge emprego.

A indústria automobilística já sinaliza com uma onda de demissão em massa por conta da queda do número das vendas dos carros novos no País. Dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veiculos Automotores (Anfavea) indicam que o nível de emprego está sendo  afetado pela crise nas vendas. Em maio de 2014, 152,3 mil pessoas trabalhavam na indústria. Depois de 1 ano, o montante caiu para 138,2 mil – uma queda de 9,2%. De janeiro a maio deste ano, foram fechadas cerca de 6 mil vagas.

Segundo o presidente da Anfavea, Luiz Moan, hoje há  um excedente de pessoal nas fábricas. O nível de emprego é equivalente ao de 2010 e 2011, enquanto o nível de produção é de 2006 e 2007.

Ainda segundo ele, as empresas tentam segurar seus empregados, considerando que ninguém quer perder mão de obra especializada, resultado dos investimentos realizados. O problema, como observou, é que a produção de veículos no Brasil caiu 25,3% em maio, na comparação com o mesmo mês de 2014.

De janeiro a maio, o setor apresenta um encolhimento de 19,1%, com 1,09 milhão de unidades produzidas, ante 1,35 milhão no mesmo período do ano passado.

O montante produzido em 2015 até maio é o menor para o período em 8 anos. Em 2007, 1,07 milhão de veículos saíram das fábricas nos primeiros 5 meses do ano.

O recuo na produção foi mais sentido entre caminhões, com volume 51,4% menor que em 2014 e apenas 6.169 unidades. Já as fábricas de ônibus reduziram o ritmo em 31,6%, para 2.319 chassis montados.

No entanto, nenhuma das nossas empresas gostaria de perder mão de obra qualificada, que é fruto de investimentos, por isto vem buscando todos os mecanismos possíveis para manter os empregos”, afirmou Moan. Em função da crise, 25 mil trabalhadores do setor receberam férias coletivas.

 

Deixe o seu comentário