8 de Maio de 2016 • 6:07 am

Política

Infidelidade: Seis deputados podem ser expulsos do PDT até dia 30

Parlamentares estão sendo processados na comissão de ética por terem votado a favor do impeachment, contrariando decisão do partido

Por: Fátima Almeida
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

O líder do PDT na Câmara, deputado Weverton Rocha (MA), negocia com membros do diretório nacional do partido uma pena mais branda, para evitar a expulsão dos seis deputados que votaram a favor da abertura do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, contrariando a determinação do partido.

Os deputados Flávia Morais (GO), Giovani Cherini (RS), Hissa Abrahão (AM), Mário Hering (MG), Sérgio Vidigal (ES) e Subtenente Gonzaga (MG) estão sendo processados pela comissão de ética do PDT, com julgamento marcado para o próximo dia 30, por infidelidade.  Weverton defende que, ao invés da expulsão, o partido poderia aplicar uma suspensão temporária do mandato ou uma advertência por escrito aos parlamentares, que inclusive já perderam postos de dirigentes partidários que alguns ocupavam em estados e municípios.

O Diretório Nacional do PDT ameaça deixá-los fora da negociação para a escolha de candidatos a vereador e prefeitos do partido nas eleições municipais de outubro. Essa decisão retira uma fatia importante de poder dos parlamentares e os enfraquece para o próximo pleito para a Câmara Federal, assembleias legislativas e governos estaduais.

(*) Com informações do Congresso em Foco

Deixe o seu comentário