22 de maio de 2017 • 6:05 pm

Brasil

JBS financiou 167 deputados e 28 senadores: veja os alagoanos citados

Empresa de Joesley Batista pagou R$ 109 milhões a deputados e senadores

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Um levantamento feito Ministério Público Federal revela que um em cada três integrantes do Congresso Nacional recebeu dinheiro do grupo JBS na eleição de 2014.

A planilha foi entregue pelos delatores à Procuradoria-Geral da República e ao Supremo Tribunal Federal (STF). Juntos, quase 200 congressistas receberam mais de R$ 107 milhões da empresa. Na relação aparecem seis parlamentares alagoanos: senador Bendito de Lira, com R$ 1,2 milhão, o filho Arthur Lira, com R$ 500 mil, Rosinha da Adefal, R$ 200 mil, Givaldo Carimbão, R$ 150 mil e Ronaldo Lessa, 50 mil. O senador Renan Calheiros aparece na lista, mas não há citação de valor.

De acordo com os delatores, a maior parte dos recursos era propina, mesmo em casos de doação oficial registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Foram beneficiados pela JBS 167 deputados federais, de 19 partidos, e 28 senadores. Os valores são maiores, já que nem todos foram identificados claramente no documento.

VEJA A LISTA DOS DEPUTADOS E SENADORES FINANCIADOS PELA JBS

Na lista estão políticos que declararam legalmente o recebimento da contribuição à Justiça, mas também doações de caixa dois e produto de corrupção, conforme os depoimentos de Joesley Batista e Ricardo Saud, presidente e diretor de Relações Institucionais da J&F.

O documento não especifica, porém, a situação de cada político. Entre os nomes financiados pela JBS estão os dois da linha sucessória de Temer: os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE). Maia aparece como beneficiário de R$ 100 mil. Já no caso de Eunício não há valor. Em depoimento, Joesley disse ter dado R$ 6 milhões ao peemedebista.

Pelas contas da empresa, os deputados eleitos levaram R$ 49 milhões e os senadores, R$ 58 milhões. Os partidos que mais receberam foram o PSDB (R$ 35,9 milhões), o PP (R$ 20,4 milhões), o PT (R$ 14,5 milhões), o PR (R$ 8,5 milhões) e o PMDB (R$ 8,5 milhões). A planilha também lista doações para 16 governadores, a ex-presidente Dilma Rousseff e 179 deputados eleitos. O número de candidatos agraciados, porém, foi bem superior: 1.829 políticos receberam mais de R$ 500 milhões.

Desse montante, a maior parte foi direcionada a nomes que perderam a eleição. É o caso, por exemplo, do senador Aécio Neves (PSDB-MG), o campeão de arrecadação da JBS entre os congressistas. Em 2014, ano em que chegou ao segundo turno na corrida ao Palácio do Planalto, o tucano levou R$ 30,4 milhões da empresa. Reeleita, Dilma recebeu R$ 78,3 milhões do grupo. Também há referência a doações para senadores que concorreram ao governo de seus estados.

 

 

Deixe o seu comentário