26 de abril de 2015 • 10:54 am

Bleine Oliveira

Jogaram uma boia no mar em que afunda o ensino público alagoano

Não só pelas novas tecnologias, mas principalmente por sua má qualidade, a escola pública alagoana precisa ser repensada. Há alguma novidade nisso? Óbvio que não. Todos sabem da falência do…

Por: Bleine Oliveira
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

FaLência da esola pública 2

Não só pelas novas tecnologias, mas principalmente por sua má qualidade, a escola pública alagoana precisa ser repensada.

Há alguma novidade nisso?

Óbvio que não. Todos sabem da falência do ensino público em Alagoas, provocado por uma série de fatores.

Do descaso dos gestores, que veio crescendo nos últimos 30 anos, ao equívoco de sindicalistas que, interessados em aumento de salário, pensam que, fechando as escolas, atingem o governante de plantão.

Falência da escola pública 4

As vítimas desse abandono somos nós, o povo!

Os filhos dos ricos estão nas escolas particulares, que dão um tablet como brinde na matrícula.

Ou então em colégios caríssimos em Porto Alegre, São Paulo, na Europa, nos Estados Unidos.

Os da rede pública sequer têm aula!

FaLência da escola pública 3

Imagens: internet

A realidade é que a escola pública deixou de ser prioridade quando as classes ditas altas transferiram seus filhos para escolas particulares.

Digo isso para considerar positiva a disposição do governo Renan Filho (PMDB) de dar um start no projeto de jornada integral.

Lançado na última quarta-feira, 22, em portaria publicada no Diário Oficial, o Programa Alagoano de Ensino Integral  é uma boia que o Estado joga no mar em que afunda o ensino público alagoano.

Quantos, e quem vai agarrá-la?

Deixe o seu comentário