9 de Fevereiro de 2018 • 6:23 pm

Política

Justiça suspende gratificações na ALE após denúncia de JHC

Foram identificados pagamentos ilegais que chegaram a mais de 30 milhões de reais por ano

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Cinco anos após as denúncias do deputado federal JHC, a Justiça determinou a suspensão do pagamento das gratificações por dedicação exclusiva (GDE) aos servidores da Assembleia Legislativa de Alagoas.

O caso ganhou repercussão nacional e é considerado um dos maiores escândalos da política alagoana. Na época, ainda como deputado estadual, JHC havia revelado, através de extratos bancários, que os valores pagos eram muito maiores do que a própria legislação permitia. Foram identificados pagamentos ilegais que chegaram a mais de 30 milhões de reais por ano.

Para o deputado, essa decisão é uma vitória no combate à corrupção em Alagoas: “É preciso combater essas velhas práticas políticas. Infelizmente, não temos oposição na Assembleia e essa situação continua se repetindo. Espero que essa sentença sirva como exemplo de que um trabalho quando é sério e técnico pode trazer grandes resultados para a sociedade”, afirmou JHC.

Caixa-preta na ALE: relembre o caso

A divulgação desses desvios no plenário da Assembleia foi marcada por muito tumulto e confusão. Durante seu discurso, JHC foi intimidado com o desligamento das luzes na tentativa de impedir a continuação de sua fala. O episódio ficou conhecido como “Apagão da Democracia” e teve repercussão nacional. Programas como Fantástico, Jornal Nacional e CQC repercutiram o caso.

Segundo JHC, foi um momento que exigiu segurança e coragem para enfrentar os vícios políticos. “Era ainda mais jovem e tive que manter a coragem para levar adiante aquilo que tinha descoberto. Hoje, olhando a minha história, fico honrado em ver que tive uma atuação importante na política alagoana. E sigo tranquilo pois sei que continuo combatendo o bom combate em meu Estado”, finalizou o parlamentar.

Deixe o seu comentário