9 de junho de 2016 • 4:00 pm

Brasil » Justiça

Lava Jato: Cláudia Cruz, esposa de Cunha é processada pelo juiz Sérgio Moro

Em nome do cinismo, em sua defesa, no Conselho de Ética, Cunha disse que é “dependente” do cartão de crédito da esposa.

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas ações da Lava Jato na Justiça comum, aceitou nesta quinta-feira, 09, denúncia contra a jornalista Cláudia Cruz, esposa do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha. Ela passa a ser ré pelos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Cláudia é acusada de esconder recursos de propina em contas secretas no exterior e de gastar o dinheiro com gastos de luxo. Em nota (veja a íntegra abaixo), Cunha diz que as movimentações financeiras de sua esposa “estão dentro das normas da legislação brasileira”.

Esposa de Cunha processada na Lava jato

Esposa de Cunha processada na Lava jato

Segundo a denúncia do Ministério Público acolhida por Moro, o empresário Idalécio de Castro Rodrigues de Oliveira pagou propina a Eduardo Cunha por ter sido beneficiado em um contrato de aquisição dos direitos de participação na exploração de um campo de petróleo no Benin. De acordo com o MP, Cunha recebeu 1,3 milhão de francos suíços, ou 1,5 milhões de dólares, intermediados pelo diretor da Área Internacional da Petrobras Jorge Zelada.

Em seu despacho, Moro alegou que “a movimentação dos valores é inconsistente com os rendimentos lícitos e declarados do Deputado Federal Eduardo Cosentino da Cunha e Cláudia Cordeiro Cruz, sendo de se observar que ambos, embora controladores e, em princípio, verdadeiros titulares das contas secretas no exterior, não declararam os ativos nelas mantidos à Receita Federal ou ao Banco Central, tampouco declararam ser titulares de empresas, trustes ouoffshores no exterior”. O juiz ainda ponderou que ao longo do processo poderá verificar se Cláudia agiu com dolo ao utilizar o dinheiro de propina.

Tornaram-se réus ainda nesta quinta-feira, Idalécio de Castro Rodrigues de Oliveira, o lobista João Augusto Rezende Henriques, e o ex-diretor da área Internacional da Petrobras Jorge Luiz Zelada em um processo fruto da Operação Lava Jato. Eles foram denunciados por crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Moro ainda expediu um novo mandado de prisão preventiva contra João Henriques, que já está detido no Complexo Médico-Penal em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

Luxo – Em sua defesa, durante depoimento no Conselho de Ética, Eduardo Cunha disse que é “dependente” do cartão de crédito de sua esposa. Na planilha de gastos com o cartão constam, entre outros gastos, US$ 42,2 mil em restaurantes, hotel e lojas de grife em Miami Beach. A despesa, equivalente a R$ 169,5 mil , foi feita no período em que Cunha recebia R$ 17,7 mil de salário na Câmara.

Em outro passeio, logo após sua eleição como presidente da Câmara, em fevereiro de 2015, o casal viajou até Paris. Na capital francesa, em cinco dias, foram gastos US$ 1,3 mil no restaurante Gu Savoy, US$ 8,1 mil na loja de roupas masculinas Textiles Astrum France, US$ 965,69 no restaurante Les Tablettes, US$ 1.177 no Le Grand Vefour, e US$ 15,8 mil no Hotel Plaza Athnee. Os dados fazem parte da quebra de sigilo de Eduardo Cunha.

Deixe o seu comentário