3 de maio de 2017 • 8:05 am

Economia

Líderes do governo negociam manutenção de imposto sindical

Imposto descontado de um dia de serviço do trabalhador é dividido entre entidades de patrão e empregados

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Diante da dificuldade de passar a reform da previdência com o desmonte patrocinado pelo governo, Michel Temer mandou seus líderes à negociação. Para garantir os votos dos deputados ligados às centrais de trabalhadores, os líderes governistas na Câmara dos Deputados negociam a manutenção do Imposto Sindical.

Em troca dos votos dos parlamentares eleitos com o apoio das corporações do setor público, o governo estuda a manutenção da aposentadoria integral para quem ingressou no serviço público antes de 2003 sem o cumprimento da idade mínima.

A prorrogação da cobrança do Imposto Sindical por cinco anos foi proposta aos líderes governistas pelo deputado Paulo Pereira da Silva (SP), fundador da Força Sindical e principal dirigente do Solidariedade.

Com 14 deputados, a legenda é contra, tanto à reforma trabalhista, já aprovada na Câmara, quanto às mudanças nas regras da Previdência. A Força Sindical lidera categorias importantes como a os metalúrgicos de São Paulo.

Por influência de Paulinho da Força, os parlamentares do Solidariedade poderiam votar a favor da reforma previdenciária na Câmara se os senadores mantiverem o Imposto Sindical por cinco anos. O tributo foi extinto no projeto de reforma trabalhista aprovado pelos deputados há duas semanas e em discussão pelos senadores que poder alterar o texto antes de virar lei.

Formado pelo equivalente a um dia de serviço de cada trabalhador dos setores público e privado, o tributo serve para financiar a estrutura sindical, inclusive dos empresários, como confederações patronais e centrais operárias. Em 2016 o Imposto Sindical arrecadado foi de  R$ 3,5 bilhões. O dinheiro é distribuído a entidades patronais e sindicais em valores proporcionais ao tamanho de cada setor patronal ou de trabalhadores.

 

 

Deixe o seu comentário