24 de Janeiro de 2018 • 7:37 am

Blogs » Marcelo Firmino

Lula no Tribunal: tudo pode acontecer, inclusive nada, mas sem prisão

Qualquer decisão no julgamento desta quarta não impedirá Lula de ser candidato a presidente

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

O País acordou na expectativa. De um lado os torcedores pela prisão imediata de Lula e, se possível, sem julgamento. Do outro, os que querem Lula livre, solto e apto para se candidatar às eleições deste ano, com ou sem julgamento.

O certo é que no julgamento marcado para hoje tudo pode acontecer, inclusive nada. Mas, é muito pouco provável que o ex-Presidente Luis Inácio Lula da Silva, petista maior do País, tenha sua prisão decretada. É quase certo que esse risco ele não corre, como muita gente nas redes sociais pensa.

Lula: amado e odiado

A realidade nua e crua é que qualquer que seja a decisão dos magistrados na corte do Rio Grande do Sul, os caciques petistas estão convencidos de que Lula será candidato a Presidente do Brasil com chances de vitória.

E no que se sustentam as teses do Partido dos Trabalhadores?

Primeiro: se em meio ao julgamento um juiz pedir vistas do processo esse passa a ser o melhor cenário para o ex-presidente que chegará ao dia das eleições sem uma definição do caso, graças ao ritos processuais que deverão se alongar a partir daí.

Segundo: se Lula for condenado por 2 a 1 o cenário será ruim, mas com o recurso dos chamados embargos infringentes o processo se arrastará e ainda assim ele disputará as eleições, apesar da condenação com todos os prejuízos midiáticos que lhe acompanharão.

Terceiro: se Lula for condenado por 3 a 0, a pior das decisões,  ainda assim vai disputar as eleições até que o Tribunal Superior Eleitoral decida se ele pode ou não ser candidato a Presidente da República, após todos os recursos cabíveis no caso.

Em suma. É hoje, mas não é. Na visão de juristas e especialistas

Perdendo no julgamento de hoje, ele pode recorrer ao próprio tribunal, ao STJ, ao Supremo.  Com direito de registrar candidatura entre 20 de julho a 15 de agosto.

Ou seja, por tudo que fez de certo e errado em sua história de vida e política, Lula já é um mito no País. Portanto, estará sempre entre os que o odeiam e os que o amam.

Uma coisa certa. O julgamento deste caso, em meio a um País dividido, jamais será baseado nos autos. Será, sim, puramente político.

Deixe o seu comentário