10 de agosto de 2015 • 4:39 pm

Brasil

Mais 9 acusados querem fazer delações premiadas na Lava Jato

Advogados vêem com ressalvas as delações premiadas nesse processo.

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Brasil – Pelo menos mais nove acusados de envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras desarticulado pela Operação Lava Jato pretendem fazer acordo de delação premiada.

Entre aqueles que pretendem prestar informações à Justiça em troca de uma eventual redução de pena estão executivos da OAS, Mendes Júnior e Galvão Engenharia. Atualmente, das 112 pessoas presas na Lava Jato desde março do ano passado, pelo menos 23 assinaram acordo de delação premiada.

Segundo o  jornal Estado de São Paulo, a estratégia também tem sido influenciada pela decisão do ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque de iniciar um acordo de delação premiada. A expectativa de envolvidos nas investigações e de advogados de empreiteiras é de que ele fará uma das mais duras delações da Lava Jato. Assim, politicos e empreiteiros já estão com as  barbas de molho.

No entanto, os advogados dos acusados veem com ressalvas as delações premiadas. O atual advogado dos senadores Edison Lobão (PMDB-MA), Ciro Nogueira (PP-PI) e Romero Jucá (PMDB-RR) e da ex-governadora (PMDB-MA) Roseana Sarney, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, por exemplo, desistiu de defender uma das peças-chaves da operação, o doleiro Alberto Youssef, quando ele optou por fazer o acordo de delação premiada.

De acordo com o criminalista, as colaborações estão sendo acordadas sem “nenhuma voluntariedade” e com diversos “abusos”. “Temos o caso de um procurador da República que admitiu que a prisão era usada para forçar a delação. Só isso daí já leva a anulação”, segundo o advogado Kakay.

Deixe o seu comentário