11 de julho de 2017 • 12:45 pm

Maceió

Mar de saudades: Crea inicia movimento  para trazer de volta Praia da Avenida

Evento em defesa da avenida da Paz está marcado para o próximo dia 20 no Programa Papo no Mirante do CREA

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Feliz o cidadão que conseguiu gozar das belezas e atrações da época em que a famosa Avenida da Paz, construída no bairro de Jaraguá no início da década 20 logo após o fim da primeira guerra mundial, ofertava a todos que ali passava momentos de puro lazer. Por quase meio século, a região da cidade de Maceió foi o nosso cartão postal, que traz a única praia localizada na região central de uma capital brasileira.

Sua notável e curvada extensão de areia cor de neve, incansavelmente banhada pelas águas límpidas do mar – coloridas com tons azuis e verdes – foi por muitos anos berço da juventude da época, que desfrutava da bela urbanização formada por calçadas paralelas, uma junto a pista de calçamento e outra ao lado da praia; jardins gramados com desenhos arabescos, bancos de concreto, postes de ferro trabalhado e um charmoso coreto de Jaraguá, feito exclusivamente para valorizar apresentações de artistas da terra. Uma rara beleza cênica no centro urbano.

Compondo ainda mais o cenário perfeito, a Praia da Avenida era leito da foz do Vale do Riacho Salgadinho, que cortava a capital alagoana com seus 14 quilômetros de extensão. E foi exatamente por meio deste canal que aconteceu um dos maiores crimes ambientais da história de Alagoas: a poluição da praia.

Esquecimento da Avenida –A falta de políticas para a reforma agrária desencadeou, por volta dos anos 60 e 70, uma grande invasão de trabalhadores rurais na capital em busca de oportunidades de emprego e dias melhores.

Sem estrutura para receber tanta gente de uma só vez, Maceió inchou e as consequências foram surgindo após milhares de ocupações indevidas. A falta de estrutura pesou. O famoso Riacho Salgadinho, foi o mais afetado, sangrou e virou esgoto a céu aberto, despejando dejetos fecais e lixo, sem o menor respeito, diretamente na praia mais bela do Brasil.

Mobilização pela praia

O crime ambiental trouxe desprezo e esquecimento das novas gerações. Na década de 90, a Associação dos Amigos da Avenida da Paz (Amapaz) liderada por Carlito Lima e Marta Bernardes, tentaram chamar a atenção das lideranças políticas em busca da revitalização da praia. “Em 1993 organizamos um ‘abraço’ com mais de quatro mil pessoas, na foz do Riacho Salgadinho. Foi uma bela manifestação popular. Melhoria aconteceram, longe do necessário”, disse Carlito Lima.

“Quando menino, aprendi a andar nas areias duras da praia da Avenida, a nadar naquele mar brando de cores indefinidas. Essa região faz parte da minha vida. Meu sonho vai continuar sendo a recuperação da praia tem tudo para ser uma referência de beleza para o Brasil. Estou há mais de 20 anos lutando por isso. Mas precisamos primeiro resolver o problema do Salgadinho, canal de acesso dos despejos da população. Atualmente, a região do Vale do Reginaldo é a que mais castiga o nosso Riacho ”, acrescentou.

Ainda segundo Carlito, durante uma visita ao então presidente da república Fernando Collor em 1991, a Associação pediu um projeto para a despoluição do Salgadinho e a restauração do bairro de Jaraguá. Dois meses depois os projetos estavam prontos, entretanto a recuperação do bairro foi iniciada anos depois pelos prefeitos Ronaldo Lessa e Kátia Born.

No livro “Meninos da Avenida 2 – Histórias que contam”, lançado em 2016 por Americo José Peixoto, mais conhecido como Lelé, o advogado Murillo Mendes, destacou o sentimento de muitos usufruíam dos anos de ouro da Avenida de Paz.

“Lembro-me, com naturalidade, como algo do meu passado, que não se foi, que me integra, que é parte viva e indissociável do meu eu, do tempo em que desfrutávamos a bela e inigualável praia. Do branco neve de suas refinadas areias, da limpidez de suas águas mornas – espelho autentico do céu imenso que as cobria, colorindo-as em tons ora azuis, oras verdes, sempre puras, exuberantes e saudáveis, oferecidas a todos nós que as procurávamos”, destacou.

Crea luta no resgate da bela Praia da Avenida

Exatamente para tentar resgatar este passado em Maceió e combater a negligência de gestões antecessoras, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Alagoas (Crea-AL), vai iniciar a campanha “Salve a Praia da Avenida! ”.

A intenção da entidade é discutir, no dia 20 de julho, às 18h, na terceira edição do Papo no Mirante, por meio de debate técnico com o apoio da sociedade – via Amapaz –, saídas para despoluir o Riacho Salgadinho e, consequentemente, revitalizar a praia e todo o bairro de Jaraguá.

O engenheiro civil e diretor da Cohidro, empresa responsável pelo projeto do Canal do Sertão, Wellington Coimbra Lou, vai abordar o tema “Estação de tempo seco: Solução para os esgotos do Riacho Salgadinho”. Com ele, acrescentando conteúdo, o engenheiro Carlito Lima, idealizador da Amapaz, também vai participar do evento, que será conduzido pelo jornalista Marcelo Firmino.

Lou garantiu a possibilidade de despoluir o canal que há anos vem sofrendo com o descaso da administração pública. “As pessoas querem uma solução para o lixo não ser mais lançado ao mar. A engenharia pode sim resolver o problema. Irei apresentar um projeto que traz uma série de ações como recomposição de taludes do canal, barreiras flexíveis, drenagens, instalação de comportas e outras”, destacou.

São pelos desejos de trazer o passado ao presente que a engenharia alagoana, representada pelo Crea Alagoas, se mobiliza. Para o presidente do Conselho, Fernando Dacal, é também uma forma de revitalizar a vida do tradicional bairro de Jaraguá.

“Quem viveu ali sabe o quanto era prazeroso. Todos os alagoanos tinham o local como lazer. Nosso desejo é suscitar o debate e chamar a atenção dos nossos governantes. Estamos mobilizados para trazer a praia da avenida da paz de volta. Por isso a participação de toda comunidade é importante, como também os representantes do Estado e Prefeitura”.

Deixe o seu comentário