4 de Abril de 2016 • 12:17 pm

Segurança

Meio jurídico já previa a fuga de presos no sistema penitenciário do Estado

Na última sexta-feira, Defensoria Pública e a OAB estiveram discutindo as precariedades do sistema carcerário

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

A fuga de 11 presos na madrugada desta segunda-feira, 04, do presidio Cirydião Durval foi para setores do meio jurídico alagoano uma espécie de “evasão anunciada”, dada a precariedade do lugar.

Tanto é assim que na última sexta-feira, primeiro de abril, a situação das unidades prisionais em Alagoas foi tema de uma reunião na  sede da Defensoria Pública do Estado, entre o coordenador do Núcleo de Tutela Coletiva da instituição, o defensor público Ricardo Melro e a presidente da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Alagoas (OAB/AL), Fernanda Marinela, e o conselheiro Seccional e representante da Ordem no Conselho Estadual de Segurança, Marcus Lacet.

Onze presos fugiram nesta segunda, 04.

Onze presos fugiram nesta segunda, 04.

Eles se reuniram  para debater as violações dos direitos humanos e superlotação dentro das delegacias do Estado, mas acabaram discutindo também as deficiências do sistema carcerário. Eles decidiram recomendar encaminhamentos para a abertura de novas unidades prisionais para o Estado visando o respeito às garantias constitucionais da dignidade, e o possível agendamento de uma reunião para tratar da crise do sistema, buscando estratégias junto ao Estado.

O defensor público Ricardo Melro destacou a necessidade de serem tomadas providências urgentes em relação ao Complexo de Delegacias Especializadas (CODE), Central de Flagrantes e Casa de Custódia, que vivem próximo de um colapso. “Essa integração entre Defensoria Pública e OAB é de extrema importância, para tentar solucionar esse momento de urgência que vive o sistema prisional. O momento é de busca de soluções”, disse.

Temos diversos problemas no sistema prisional, que precisam ser resolvidos de forma urgente. Agora, vamos tentar conversar com os órgãos responsáveis, inclusive com o Estado, para juntos buscarmos caminhos alternativos para essa crise”, afirmou a presidente da OAB Alagoas, Fernanda Marinela.

Deixe o seu comentário