9 de julho de 2015 • 7:01 pm

Política

Ministro da justiça é convocado para depor na CPI da operação Lava Jato

A convocação do ministro demonstra a fragilidade do governo.

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Ministro da Justiça: vai depor.

Ministro da Justiça: vai depor.

Brasil – A CPI da Petrobras aprovou, nesta quinta-feira, 9, a convocação do ministro da Justiça, Eduardo Cardozo para depor sobre o escândalo da Petrobrás.  A convocação do  ministro prova  fragilidade da bancada do governo no Congresso.

Além do ministro, mais 73 requerimentos de convocação de depoentes, pedidos de informação a diversos órgãos, acareações e quebras de sigilos bancário, fiscal e telefônicos. Entre os convocados, além de Cardozo,  estão o empresário Júlio Camargo, o presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e o agente da Polícia Federal Jaime de Oliveira, considerado um dos emissários do doleiro Alberto Youssef.

A comissão chamou Cardozo para ouvi-lo sobre as declarações feitas por integrantes do governo de que há “vazamentos seletivos” de informações das delações premiadas na Operação Lava Jato. Júlio Camargo, ex-representante no Brasil da empresa Toyo Setal, fez acordo de colaboração com a Justiça e disse que houve pagamento de propina a diretores da Petrobras, intermediada por Fernando Soares, preso em Curitiba e apontado como operador do PMDB no esquema de desvio de dinheiro da estatal – o que ele e o partido negam.

Ministro vai depor na CPI

Ministro vai depor na CPI

Marcelo Odebrecht está preso em Curitiba há quase um mês, sob a acusação de pagar propina em troca de contratos na Petrobras. Mais conhecido como “Careca”, o policial Jaime de Oliveira trabalhava no Rio de Janeiro e é acusado de transportar dinheiro de propina a serviço de Youssef.

A CPI quer ouvir ainda a advogada Beatriz Catta Preta, que defende os delatores Pedro Barusco (ex-gerente da área de Serviços da Petrobras) e Paulo Roberto Costa (ex-diretor de Abastecimento). A CPI também quebrou os sigilos bancário, fiscal e telefônico de familiares de Alberto Youssef: as filhas Taminy Youssef e Kemelly Caroline Fujiwara Youssef; a mulher, Joana Darc Fernandes Youssef; e a irmã dele Olga Youssef.

Também foram aprovados novos pedidos de acareação: entre Pedro Barusco, Shinko Nakandakari (operador de estaleiros) e Glauco Legati (funcionário da Petrobras); e entre Augusto Ribeiro de Mendonça Neto (executivo da Toyo Setal), Renato Duque (ex-diretor da Petrobras) e João Vaccari Neto (ex-tesoureiro do PT).

Deixe o seu comentário