15 de novembro de 2015 • 10:50 am

Brasil

Ministros do STF reconhecem que Cunha perdeu a condição de presidir a Câmara

Mas, 12 partidos, incluindo o PMDB, emitiram nota de apoio a Cunha

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), fragilizou-se com as explicações que deu para se defender das acusações da Operação Lava Jato, perdeu as condições para comandar a Casa e atrapalha o andamento da agenda do país.

A avaliação é feita por ao menos cinco dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), corte que decidirá se aceita a denúncia apresentada contra Cunha pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por corrupção e lavagem de dinheiro.

Os ministros ouvidos em caráter reservado entendem que o peemedebista “caiu em desgraça” com sua estratégia de se defender em entrevistas à imprensa. Para eles, no entanto, uma decisão judicial para afastá-lo do cargo seria “drástica demais”.

A Procuradoria-Geral da República discute internamente se formaliza ao STF um pedido de afastamento de Eduardo Cunha do cargo. Os ministros, porém, temem ser acuados de “judicializar a política”, segundo revelou o jornal Estado de S. Paulo.

De acordo com o jornal, além dos magistrados, tanto investigadores quanto interlocutores do Palácio do Planalto avaliaram como “desastrosa” a estratégia de Cunha de conceder uma série de entrevistas para se defender. Para eles, o peemedebista expôs uma série de contradições em sua defesa.

O presidente da Câmara afirma que não mentiu à CPI da Petrobras ao dizer que não tinha contas no exterior em seu nome. Após a descoberta de quatro contas ligadas a ele no exterior, Cunha diz que era apenas “usufrutuário” dos recursos e que essas contas são “trustes” –espécie de fundo do qual ele seria apenas beneficiário dos recursos e não o controlador do dinheiro.

Na última quarta-feira, reportagem do Estadão mostrou que Cunha usou o nome de sua mãe como contrassenha para consultar o banco suíço Julius Baer. Investigadores entendem que o uso de informações pessoais reforça a tese de que ele tinha vínculo direto com as contas. Os extratos também indicam movimentações financeiras feitas por ele ano passado, o que contradiz a versão apresentada pelo deputado anteriormente.

Na última quarta-feira (11), a liderança do PSDB na Câmara divulgou nota pedindo que ele seafaste da presidência da Casa e sinalizando que seus representantes votarão pela cassação do mandato do deputado no Conselho de Ética. Em resposta, no dia seguinte, um grupo de 12 partidos (PR, PMDB, PSC, PP, PSD, PRP, PTB, PTdoB, PEN, PHS, PTN e SD) declarou, em nota à imprensa, apoio a Cunha.

 

Deixe o seu comentário