22 de Janeiro de 2018 • 1:16 pm

Política

Movimentos populares ocupam sede da Rede Globo, no Rio de Janeiro

Ação denuncia empenho da emissora na condenação de Lula e exige imparcialidade na cobertura dos fatos políticos

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Ocupação da Globo no Rio de Janeiro (Cortesia)

A sede da Rede Globo no Rio de Janeiro acaba de ser ocupada. Cerca de 150 pessoas estão acampadas no prédio da emissora na Rua Jardim Botânico. A ação organizada por movimentos populares tem por objetivo denunciar o empenho da emissora na condenação de Lula e exigir imparcialidade na cobertura dos acontecimentos políticos, em respeito à democracia.

A emissora teve sua atuação questionada em diversos momentos da história por ter, supostamente, influenciado os principais episódios políticos, com uma postura parcial no seu noticiário, incluindo a queda de Dilma, em 2016. Uma pesquisa realizada na Universidade Federal do Rio de Janeiro constatou que entre dezembro de 2015 e agosto de 2016 o Jornal Nacional dedicou quase 13 horas de notícias negativas sobre Lula. E nenhuma hora de notícias favoráveis a ele, no período.

Com o mote “Globo condena Lula. Povo enfrenta a Globo” gravado em cartazes e falado em palavras de ordem, os movimentos populares, entre eles MST e Levante Popular da Juventude acamparam na sede da emissora. “O judiciário do Moro não conseguiria sozinho condenar o Lula. Já tentaram várias manobras, mas o que sustenta a República de Curitiba e as inconstitucionalidades do processo é a Globo, que tem se empenhado para atacar Lula para que ele não concorra às eleições em 2018”, afirma Luma Vitório do Levante Popular.

Na ocupação, cartazes nomeiam a Rede Globo de ‘Tribunal Federal da Injustiça’ e denunciam as investigacões que envolvem o grupo de comunicação, entre elas o esquema de pagamento de propina para transmissão de jogos de futebol e sonegação fiscal.

Em todo o Brasil atos estão sendo programados para hoje, amanhã e o dia 24, data que ocorrerá o julgamento de Lula no TRF 4 em Porto Alegre, onde movimentos sociais já iniciaram, hoje acampamentos que terão programação até o dia do julgamento.

Deixe o seu comentário