15 de abril de 2016 • 10:16 am

Brasil

Movimentos sociais bloqueam estradas no Estado ‘contra o golpe’

Ação convocada pela Frente Popular é para bloquear estradas do País

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Pelo menos 20 trechos de rodovias federais e estaduais em Alagoas já foram bloqueados pelos movimentos sociais, atendendo convocação da Frente Popular “contra o golpe”, segundo dirigentes do MST.

Rodovias começam a ser bloqueadas

Rodovias começam a ser bloqueadas

Do sertão ao litoral foram mobilizados mais de 4 mil integrantes dos movimentos para o protesto que foi convocado no País inteiro. Os movimentos pretendem sair às ruas do País na segunda-feira, após a votação do processo de impeachment.

Os atos foram convocados pela Frente Brasil Popular, que reúne mais de 60 entidades dos movimentos sindical e social, além dos partidos PT, PC do B e PDT.

O coordenador da Central de Movimentos Populares e membro da Frente Brasil Popular, Raimundo Bonfim, não confirma o fechamento de estradas. Ele diz apenas que haverá um “conjunto de ações no campo e na cidade”.

Nas rodovias estaduais, os coordenadores da ação deixam claro que só vão respeitar o direito das ambulâncias que estejam com os pacientes. Além do protesto contra a oposição ao governo eles alegam que estão se manifestando também para relembrar os mortos do massacre de El Dourado dos Carajás, no Pará.

MST nas estradas

MST nas estradas

“As ações desta sexta serão uma demonstração do que vai acontecer no Brasil caso o

Reação dos movimentos

Reação dos movimentos

impeachment prospere”, disse. Além disso, os protestos servirão de “esquenta” para o domingo (17), data prevista para a votação do processo de impeachment na Câmara.

Coordenador estadual do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), Josué Rocha disse que as movimentações contra o impeachment cresceram nesta semana, porque “o golpe está se evidenciando”.

“É um golpe que visa colocar no poder Michel Temer e Eduardo Cunha para um governo que claramente contra os trabalhadores”, afirmou.

Deixe o seu comentário