5 de dezembro de 2016 • 11:34 am

Agricultura » Economia

MST anuncia primeira agroindústria em área da reforma

Fábrica de beneficiamento de frutas será inaugurada na sexta-feira (9) no assentamento Maria Bonita, em Delmiro Gouveia

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Agroindústria vai gerar mais de 700 empregos diretos e indiretos (Foto: Divulgação)

Agroindústria vai gerar mais de 700 empregos diretos e indiretos (Foto: Divulgação)

Uma boa notícia vem do campo, como resultado positivo da reforma agrária. O Movimento Sem Terra (MST) anuncia a inauguração, na próxima sexta-feira (9), às 9h, da primeira agroindústria a funcionar em área da reforma agrária, em Alagoas. Localizada no assentamento Maria Bonita, no município de Delmiro Gouveia, a fábrica vai beneficiar a produção de castanha de caju e outras frutas, dos próprios assentados e de pequenos produtores da região sertaneja.

“É um momento muito importante para todos os que lutam pela reforma agrária. É um passo firme que o nosso movimento dá na geração de emprego e renda para as famílias assentadas e pequenos agricultores da região”, reforça Débora Nunes, da coordenação nacional do MST.

Nos cálculos da coordenadora, que também integra o Setor de Produção do MST, a agroindústria deve gerar 38 empregos diretos e mais de 700 indiretos a partir da produção. Com área de 250 m², a agroindústria produzirá 16 produtos, entre doces em calda e em pasta, polpa de frutas e castanha de caju. Os produtos beneficiados dentro dos padrões de boas práticas, devem ser comercializados nos mercados comerciais convencional e institucional – compondo o cardápio da merenda escolar, através do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE.

Fábrica vai trabalhar com beneficiamento de frutas (Foto: Divulgação)

Fábrica vai trabalhar com beneficiamento de frutas (Foto: Divulgação)

Gerida pela Cooperativa de Produção Agropecuária da Reforma Agrária no Sertão – CooperaSertão, a agroindústria receberá produtos dos camponeses e camponesas da região, para processamento. “Aqui não temos apenas mais uma estrutura de fabricação de polpa ou doce, mas uma agroindústria comprometida com o desenvolvimento da vida de quem vive no campo e com a garantia de levar produtos saudáveis para o consumidor, na cidade”, destaca Débora Nunes. Segundo ela, toda a matéria-prima utilizada nos produtos da CooperaSertão é cultivada sem agrotóxico.

O ato de inauguração vai reunir trabalhadores de vários assentamentos e acampamentos, representações de outros movimentos sociais e do poder público, e atrações culturais, entre elas um show especial de Chau do Pife, patrimônio vivo da cultura alagoana. 

Deixe o seu comentário