24 de agosto de 2016 • 10:45 pm

Maceió » Marcelo Firmino

Na corrida eleitoral há pesquisas para todos os gostos: até do Paraná

A pesquisa do Paraná foi encomendada pelo Pajuçara Sistema de Comunicação.

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

De propriedade de um dirigente tucano que dirigiu uma empresa estatal paranaense no auge do tucanato por lá, o instituto de Pesquisas Paraná foi alvo de inúmeras denúncias na midia durante a campanha presidencial, exatamente pela falta de isenção.

Hoje, o instituto serve a campanha do tucano Rui Palmeira, candidato a reeleição a Prefeitura de Maceió, e apresentou a sua primeira pesquisa para prefeito de Maceió, do jeito mais tucano de ser.

Ou seja mantém quase os mesmo números do Ibope, com Cícero Almeida e Rui Palmeira empatados tecnicamente, mas apresentando, numericamente, o dono do veículo que encomendou a pesquisa ligeiramente na frente. Ou seja, Rui 32,9% e Cícero 31%. JHC aparece com 11% e Paulão com 3%, ambos com os mesmos números do Ibope.

Quase tudo igual com a sutileza de detalhes para animar “a militância” que ficou chocada com a pesquisa do Ibope. Isso por que depois de tanto dinheiro investido em propaganda nos veículos de comunicação, o candidato tucano não conseguiu avançar nas intenções de votos do maceioense. O quadro atual não é confortável.

Pelo País afora, cientistas políticos costumam dizer que no momento atual da política brasileira, pesquisa eleitoral que não apresentar, pelo menos, 30% de “não sabe” e “nenhum” tem um certo e mexido “q” de manipulação. Isso pode até ser exagero dos cientistas, mas deixa de fato uma pulga atrás da orelha dos mais pobres mortais.

Basta compreender que a crise econômica, o clima político no País, os reflexos da Lava Jato, o impeachment de Dilma tudo isso tem gerado uma onda de ceticismo da sociedade em relação a política nacional e mais ainda no processo eleitoral.

A Pesquisa do Paraná veio com os índices de 7,4% não sabe e 11% de nenhum. Na pesquisa do Ibope 5% disseram “não sabe” e 16% “nenhum”. E é justamente nesse meio de campo que, quando o interesse existe, alguém se dispõe a mexer em pesquisa eleitoral.

É a velha história. Quem paga, manda.

Paranauê…

 

Deixe o seu comentário


Publicidade