6 de outubro de 2017 • 11:30 am

Blogs » Marcelo Firmino

Na reforma política: partidos vão poder pagar multas em 24 mil parcelas

O PP, por exemplo, terá 2 mil anos para pagar multa da Lava Jato de R$ 1,38 bilhão

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

A sede e a ânsia de poder dos congressistas brasileiros não têm limites. E não só deles. As demais instituições, cada vez mais partidarizadas, também patinam no lamaçal que tomou conta do País
Veja que em meio ao silêncio da sociedade, os nossos parlamentares aprovaram uma reforma política no Congresso, que modifica regras eleitorais para 2018, mas também concede uma espécie de “anistia” das multas aplicadas a partidos políticos ao permitir o parcelamento do débito a perder de vista.
O caso é tão escandaloso que o Partido Progressista (PP), cujos expoentes locais são o senador Benedito de Lira e o deputado federal Arthur Lira, deve R$ 1,38 bilhão de multas cobradas pelo Ministério Público Federal, mas, com a reforma aprovada, pode passar 2 mil anos (isso mesmo) para quitar o débito em 24 mil parcelas (!)
Segundo dados da Agência Estado, o PP foi o primeiro partido a ser alvo das multas administrativas aplicadas no âmbito da Operação Lava Jato. A lei estabelece que os partidos devem pagar as multas em até 60 meses, mas no Congresso o partido defendeu no texto da reforma política o pagamento em 24 mil parcelas…
No caso da dívida de R$ 1,38 bilhões, se condenado, o Partido Progressista pagará uma parcela mensal de R$ 56,5 mil, valor que corresponde aos 2% dos R$ 2,82 milhões que a sigla recebe por mês de Fundo Partidário.
Essa brincadeira de mau gosto representa, além de um deboche, um crime contra o patrimônio público e a boa fé dos brasileiros, que são obrigados a pagar suas dívidas, de qualquer natureza, em prazos estabelecidos pelo mercado financeiro com o aval das instâncias judiciais, sem choro nem vela.
Pense agora que os partidos políticos poderão praticar todos os tipos de ilícitos a partir do texto da reforma por que valerá a pena ser multado e parcelar além da valsa vienense. Ou seja, será multado pelo Ministério Público, em seguida levado a justiça para julgamento. Só que, uma vez condenado lá, pagará sua multa em 24 mil parcelas.
É, sem dúvidas, o suprassumo da locupletação, que beneficia todos os partidos, indistintamente.
Agora o texto da reforma com essas “sutilezas”, para não dizer essa aberração do cinismo, está aguardando a sanção do excelentíssimo senhor Presidente da República, Michel Temer. Ele que estará para ser julgado nos próximos dias pelos congressistas, após ter sido denunciado em mais um caso de corrupção.
O que estamos vendo, na verdade, é o achincalhe dos nossos representantes contra as leis, os cidadãos e a Constituição do País.

1 Comentário

  1. Paulo Almeida disse:

    Palhaçada desses partidos e ainda ficam os idiotas achando que a corrupção era só do PT. Só imbecis ficam nessa conversa pois eles todos comem numa gamela só. Tudo corrupto.

Deixe o seu comentário