31 de Maio de 2016 • 6:56 pm

Brasil

New York Times: governo de Temer manca de um escândalo a outro

Em tom crítico, o jornal britânico Guardian afirma que “a reputação do novo governo interino deslizou de frágil para burlesca”

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

O governo interino de Temer foi alvo nesta terca-feira de fortes criticas vindas da imprensa internacional. Os principais jornais  dos Estados Unidos e da Inglaterra se manifestaram indignados com o governo que substituiu Dilma Rousseff.

A saída de Fabiano Silveira do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle foi apontada como um simbolismo das debilidades do governo interino de Michel Temer em reportagens da imprensa estrangeira nesta terça-feira.

Os jornais destacaram que o homem à frente da pasta encarregada de combater a corrupção foi gravado em conversas que sugeriam seu envolvimento em manobras para obstruir as investigações da Operação Lava Jato.

A queda de Silveira “desferiu outro golpe contra um governo que parece estar mancando de um escândalo a outro”, diz o jornal americano New York Times.

O jornal relata a “atmosfera cada vez mais paranoica na capital, Brasília”, em que “membros das elites políticas e econômicas estão gravando secretamente uns aos outros para fazer acordos de delação premiada”.

Servidores fazem limpeza contra corrupção.

Servidores fazem limpeza contra corrupção.

Em tom crítico, o jornal britânico Guardian afirma que “a reputação do novo governo interino deslizou de frágil para burlesca” após o episódio.

“A renúncia de Silveira eleva a pressão sobre o governo de Michel Temer, que encontra dificuldades de sacudir as acusações de que tomou o poder da presidente suspensa Dilma Rousseff com o objetivo de obstruir a maior investigação de corrupção na história do país.”

Para o argentino La Nación, “o desgaste político do governo interino se acelera a um ritmo vertiginoso”.

A reportagem lembra a “indignação” que as conversas entre Silveira e Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro – subsidiária de logística da Petrobras – geraram “em amplos setores da sociedade brasileira e inclusive em organismos internacionais anticorrupção”.

Na segunda-feira, chefes regionais do ministério em pelo menos 21 Estados entregaram seus cargos ou deixaram-nos à disposição exigindo a saída do ainda ministro.

Imagens dos funcionários do Ministério “limpando” o edifício em Brasília foram transmitidas em emissoras de TV estrangeiras, incluindo a BBC.

A conversa com Silveira e o presidente do Senado, Renan Calheiros, foi gravada por Machado, novo delator da Lava Jato, em 24 de fevereiro.

Nela, Silveira critica a condução da Operação Lava Jato pela Procuradoria Geral da República e dá conselhos a investigados.

Na segunda-feira, a ONG Transparência Internacional elevou a pressão sobre o ministro, afirmando que suspendia sua cooperação com o Ministério.

A cooperação envolvia três frentes de trabalho, uma das quais a participação na elaboração de propostas para a iniciativa internacional Parceria para Governo Aberto.

“Não deve haver impunidade para os corruptos e nem acordos a portas fechadas. É decepcionante que o ministro encarregado da transparência esteja agora sob suspeita, como parte de uma operação abafa”, disse – antes da renúncia – o diretor para as Américas da organização, Alejandro Salas.

Deixe o seu comentário