10 de junho de 2015 • 9:47 am

Maceió

Amedrontados, comerciantes do Jacitinho não abrem lojas

Dois suspeitos de envolvimento com o tráfico morrem e um fica ferido; poucos estabelecimentos comerciais foram abertos hoje

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Se os moradores do Jacintinho estão com medo, imagina os comerciantes que não moram na região. Hoje, poucos estabelecimentos comerciais foram abertos e até os ambulantes, que costumam ocupar as ruas do bairro, preferiram abrir mão de suas vendas. Algumas lojas amanheceram com as portas danificados. populares entendem com um recado do bandidos.

Algumas lojas amanheceram com as portas danificados. populares entendem com um recado do bandidos.

Algumas lojas amanheceram com as portas danificados. populares entendem com um recado do bandidos.

A troca de tiros aconteceu logo cedo. De acordo com as  informações, os militares desceram a grota na madrugada para realizar uma operação e foram recebidos a tiros. Por conta do ocorrido, guarnições da Radiopatrulha (RP) foram deslocadas até o local e desceram a Grota do Cigano. Os militares afirmam quem o clima está sob controle por lá.

Além do bloqueio da Avenida Cleto Campelo, principal via bairro, também foi registrada nesta manhã uma tentativa de saque a estabelecimento comercial. O clima no Jacintinho é tenso e os moradores estão assustados. A informação é que os traficantes querem impedir a abertura de lojas nesta manhã.

Sobre o ocorrido nesta madrugada, os moradores têm opiniões divididas. Algumas pessoas acham que houve excessos por parte da polícia. “Eles eram pais de família. Não mereciam ser mortos, apenas presos”, diz um homem que não quis se identificar.

“Já controlamos o ambiente. Vamos continuar com nossa ronda por tempo indeterminado, como determinou o secretário Alfredo Gaspar. Essa é a ordem”, disse um militar que participa da operação instalada deste o último sábado, quando bandidos tocaram fogo em um ônibus da empresa São Francisco (leia o caso aqui).

 

Deixe o seu comentário