9 de junho de 2015 • 6:02 pm

Brasil

‘Nunca antes quem corrompia no País era preso’, diz a presidente Dilma à TV alemã

Ao falar sobre o escândalo da Fifa a presidente disse que atualmente, no mundo, não se surpreende com mais nada.

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Dilma: entrevista á TV alemã.

Dilma: entrevista á TV alemã.

Brasil – O caminho para o combate a corrupção é dificil e o ônus para que atua neste campo é muito grande. Em entrevista a uma cadeia de rádio e TV alemã nesta terça-feira, 09, a presidente Dilma Rousseff disse que o ônus da luta para ela é insignificante, por que o Brasil já demonstrou que é um País mudou graças as ações de governo.

“Um dos ônus é acharem que nós é que fazemos a corrupção. Mas esse ônus é insignificante perto do fato de que eu posso lhe garantir que o Brasil, nesta área, mudou. Nunca antes no Brasil quem corrompia era preso, nem tampouco quem era corrompido. Agora é”, declarou a presidente.

“É óbvio que o Brasil precisa fazer uma reforma política. É óbvio, e isso nós temos há muito tempo discutido e insistido. Nós do governo somos contra financiamento empresarial de campanha. A contribuição tem de ser de pessoa física e não de pessoa jurídica. Infelizmente, isso não passou no Congresso”, acrescentou Dilma.

Ela declarou também ser um “absurdo” dizerem que ela ou outras pessoas do governo sabiam do esquema investigado pela Polícia Federal. “Dizer que a gente sabia da corrupção, por exemplo, na Petrobras, é um absurdo. Para descobrir a corrupção na Petrobras foi necessário que a PF, o MP, o STF, o Judiciário todo se estruturasse para fazer a investigação, e só se conseguiu investigar através do instituto legal chamado delação premiada”.

Segundo ela, “esse poder de saber o que estava acontecendo implica uma visão extremamente ingênua sobre a corrupção. A corrupção é feita escondida. Ela é escamoteada, ela é coberta. Descobri-la envolve muito mais do que uma pessoa saber”. Ontem, em entrevista à TV France 24, a presidente assegurou ser “impossível” estar ligada ao esquema da Lava Jato.

Questionada sobre a questão da Venezuela, Dilma defendeu que haja democracia e respeito às oposições. Mas em resposta às críticas de que o Brasil deveria adotar uma posição mais firme, respondeu: “Nós não somos golpistas no Brasil, nós não somos a favor de interferências e intervenções dentro de países irmãos. Nós não fazemos isso. Nós somos um país eminentemente pacífico”.

Caso Fifa – Também perguntada sobre o escândalo da Fifa, ela  não demonstrou surpresa: “Atualmente, em relação ao mundo, eu não me surpreendo com nada”. Mas disse que a investigação pode “servir para transformar a Fifa num órgão mais transparente e que não deixe a menor fresta para corrupção, vai ser uma grande conquista. Fico triste por um brasileiro estar preso, porém, acho que, se ele tem qualquer responsabilidade, tem que responder pelo que fez”.

Deixe o seu comentário