17 de novembro de 2015 • 8:42 am

Blogs » Marcelo Firmino

O choro pela glamourosa Paris e os mortos de Mariana enterrados na lama

No rastro da comoção mundial com os atentados terroristas em Paris, os brasileiros também se manifestam solidários, em momentos, raivosos, em outros, indignados , enfim, com todos os sentimentos possíveis…

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

No rastro da comoção mundial com os atentados terroristas em Paris, os brasileiros também se manifestam solidários, em momentos, raivosos, em outros, indignados , enfim, com todos os sentimentos possíveis juntos ou soltos.

E é compreensível que isso ocorra tamanha é a massisificação da televisão no País, que adora uma tragédia por razões óbvias. As informações raramente são aprofundadas, mas a estratégia é fazer o povo sentir, se comover e chorar. Nesse papel, os âncoras facilitam o lado do telespectador por que eles mesmos ensaiam o choro. Vozes embargadas, semblantes mais que tristonhos e uma infinidade de pieguices no video, como brasileiro gosta.

A audiência fala alto e rende. Rende muito.

Obviamente, que não há razão para não noticiar. Pelo contrário. Mas seria fundamental aprofundar a discussão sobre o episódio que vitimou mais 120 parisienses.

Dizer sim que foi o estado islâmico, mas ao mesmo tempo esclarecer sobre o Islã, enquanto religião, e  seus seguidores que são mais de 1,6 bilhão no mundo inteiro, o que representa 23% da população mundial, mas que a grande maioria não tem nada ver com terrorismo. É gente pacífica.

Lamentavelmente, não se fala sobre geopolítica da questão que demanda interesses e interesses de governos e governos no ocidente, embora nada justifique o terror da minoria dos seguidores do Islã.

Em suma, o terror há que ser  combatido sempre. Lá e cá.

Enquanto as principais redes de TV vão dedicando sua maior parte de tempo para o atentado parisiense, o atentado de Mariana, em Minas Gerais, vai sendo colocado de lado. O terror esteve lá sim.

E o noticiário mineiro já havia alertado que a tragédia de Mariana estava anunciada. O rompimento das barragens de Fundão e Santarém, em 5 de novembro na unidade industrial de Germano, entre os distritos de Mariana e Ouro Preto, provocou uma onda de lama que devastou distritos próximos.

Ainda há relatos de desaparecidos. O número total de mortes  é desconhecido. Lá se matou um rio e quase todo o sistema ecológico que o envolvia.

Sem dúvida,  o terror está lá e os mortos não se sabe quantos. Entre os distritos, um deles foi totalmente devastado.

Mariana: o terror passou aqui.

Mariana: o terror passou aqui.

As primeiras informações da televisão brasileira sobre Mariana foram tímidas, desconexa, sem choro nem vela e muito menos flores parisienses. Talvez, por que por trás da tragédia estivesse uma mineradora que costuma render milhões em publicidade para as grandes redes de TV.

Assim, fez-se a opção por fazer o povo chorar com as imagens da glamourosa Paris.

Tenha dó.

 

Deixe o seu comentário