24 de novembro de 2017 • 6:01 pm

Blogs » Fátima Almeida

O cinismo e a impunidade caminham juntas na zona da corrupção

Com tantos casos de denúncias e prisões, impressiona a desfaçatez do prefeito flagrado recebendo propina

Por: Fátima Almeida
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Muitas vezes me pego pensando no que se tornou este nosso país; em que momento esse mar de lama da corrupção tornou-se uma doença viral que vem contaminando lentamente e de repente explode (como nos dias atuais) em uma série inacabável de casos escabrosos em suas mais diversas facetas.

São pais que compram ‘bizus’ (é assim que ainda se chama?) para o filho ingressar na universidade; pessoas comuns – gente como a gente – que vendem ficha de atendimento em unidades de saúde; gente que disfarça, sai de fininho e não devolve o troco que recebeu a mais; pessoas que subornam policiais para serem acobertados em atitudes ilícitas; agentes públicos que se deixam subornar; gente que se vangloria por ter vendido o voto; político que faz o que quer porque comprou voto para se eleger… São apenas alguns exemplos de como nosso Brasil continua atolado na lama da corrupção ativa e passiva.

E o que me deixa realmente abismada é ver que ;, apesar das notícias escancaradas dos muitos que já foram presos ou estão na mira do Ministério Público, da Polícia e da Justiça, em operações policiais como Taturana, Hoder, Afronta, Correlatos, Lava Jato e outras tantas em Alagoas e no Brasil; mesmo sabendo que a sociedade está mais vigilante e as instituições fiscalizadoras estão mais atentas; como os políticos ainda dão continuidade a essas práticas danosas, provando que a sensação de impunidade e o cinismo (traduzido em desfaçatez, descaramento; descaso pelas convenções sociais e pela lei vigente) caminham juntos com a desonestidade, fortalecendo e multiplicando a corrupção.

Vê o caso do prefeito de Campo Grande, Arnaldo Higino, preso em flagrante (nesta sexta-feira, 24) pelo Gecoc e Gaesf, pego com a boca na botija, recebendo propina de uma empresa que vende mercadorias para Prefeitura.

Tenha paciência, né! Com tanta informação, é burrice (ou descaramento, mesmo) pensar em se dar bem, apostando que, por estar numa cidadezinha com menos de 10 mil habitantes, cravada no Agreste alagoano, nunca seria motivo de uma investigação.

Quebrou a cara! Como diz a canção: ‘A lição sabemos de cor; só nos resta aprender’ (Sol de Primavera – Beto Guedes e Ronaldo Bastos). E quem não aprende com as lições que a vida nos mostra, acaba aprendendo de maneira mais dura e mais fria, doendo na própria carne. No caso do prefeito, com a dureza e a frieza que existe atrás das grades onde ele foi parar.

Porque fez por merecer.

Deixe o seu comentário