22 de fevereiro de 2016 • 5:21 pm

Bleine Oliveira » Blogs

O medo do mosquito e o sexo

A cada dia as pessoas se mostram mais preocupadas com as consequências do zika vírus. O crescente aumento dos casos de microcefalia, e de outras doenças neurológicas como a síndrome…

Por: Bleine Oliveira
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

A cada dia as pessoas se mostram mais preocupadas com as consequências do zika vírus. O crescente aumento dos casos de microcefalia, e de outras doenças neurológicas como a síndrome de Guillain-Barré, encefalite e encefalomielite está aterrorizando todo mundo.

Essas duas últimas podem causar desde confusão mental e perda de coordenação a convulsões e paralisia, parcial ou total.

O temor de ser infectado pelo vírus Zika está fazendo muitos se armarem com raquete mata-mosquito, repelente e até espiral sentinela.

Um amigo se transformou em ‘caçador’ do Aedes aegypti, o mosquito transmissor. Ele junta os que mata no local de trabalho e leva para o birô do chefe, cobrando providências e ameaçando chamar os órgãos de saúde pública pra vistoriar a empresa.

Meu amigo está apavorado. E o pavor aumenta cada vez que surgem novidades, sempre negativas, em relação ao Aedes. Agora, além do medo, ele ficou com raiva ao saber que o zika vírus ativo foi encontrado na saliva, urina e até esperma de pacientes infectados.

Ao anunciar resultados de suas pesquisas, a Fiocruz alerta que a transmissão do zika vírus pode ocorrer via beijo na boca e relação sexual.

Agora nem f…. a gente pode!” – disparou meu amigo.

Bom, para enfrentar a situação, a saída é adotar aquelas medidas básicas:

– Mantenha bem tampados caixas, tonéis e barris de água.

– Não jogue lixo em terrenos baldios.

– Não deixe a água da chuva acumular sobre a laje e calhas entupidas.

– Piscinas e fontes decorativas devem ser sempre limpas e cloradas.

O governo, que não fez a sua parte, diz que  a luta é de todos!

 

Deixe o seu comentário