15 de maio de 2016 • 2:42 pm

Blogs » Fátima Almeida

O ministério do Temer e o novo clube do bolinha. Tudo a temer!

O novo governo não apenas extinguiu o Ministério das Mulheres; ele extinguiu as mulheres do ministério.

Por: Fátima Almeida
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Não vejo saia justa na composição do novo ministério montado para o governo interino de Michel Temer. Na verdade, não há saia nenhuma. As fotografias da reunião ministerial apenas retratam, no preto e branco predominante dos ternos e gravatas, o que se viu nas letras frias da relação dos ministros: Não há espaço para mulheres no governo que se instaurou em substituição a Dilma Roussef. E é a primeira vez que isto acontece nos últimos 34 anos.

O presidente interino Michel Temer coordena a primeira reunião ministerial de seu governo, às 9h, no Palácio do Planalto

Foto: José Cruz / Agência Brasil

Não quero me alongar com a análise detalhada do que significa a extinção de cada um dos órgãos atingidos pela Medida Provisória 726, do Presidente em exercício. Muitos já o fizeram. Vou direto ao assunto: a extinção do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos. Afinal, pra quê esse Ministério? Pra quê essa distinção, né? “Tratamento igual para todos”, é o que muitos andam dizendo e ainda dirão.

E provavelmente não enxerguem (aqueles que assim justificam o ato) o quão distante ainda está essa sonhada igualdade de gênero e de raça, e o quanto mais distante ela se torna, quando se extingue um órgão cujo papel era exatamente promover políticas públicas voltadas para a garantia da igualdade de oportunidades para todos, independente de gênero, raça ou credo.
Não, essa igualdade ainda não existe. Vem sendo construída ao longo de séculos, e vez por outra é atropelada. Basta ver que no país onde as mulheres constituem a maioria da população e do eleitorado, o novo governo não apenas extinguiu o Ministério das Mulheres; ele extinguiu as mulheres do ministério.

Vai ver que para o Presidente que deve governar o país durante os próximos seis meses, o poder da mulher deve mesmo se limitar em ela ser, bela, recatada e do lar.
Nada mais que isso.

Deixe o seu comentário