7 de setembro de 2017 • 5:45 pm

Brasil

Para frear a Lava Jato, Temer manda trocar o comando da Polícia Federal

Ministro fala em uma nova PF com mudança de perfil e presença maior no exterior

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O ministro da Justiça, Torquato Jardim, em entrevista à Rádio CBN nesta quinta-feira, 7, afirmou que já tem fechada uma lista com três nomes para substituir o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello. Foi a primeira vez que o governo admitiu que a troca será realizada.

O ministro assumiu o comando da Justiça com a orientação expressa de Michel Temer para mudar o comando da PF e frear a Operação Lava Jato, que chegou no presidente e na maioria dos seus ministros e aliados.

Rogério Galloro, número 2 da PF, é considerado o mais cotado para a vaga. Porém, o ministro não quis revelar o nome dos outros candidatos, afirmando que continua sem “timing” para fazer a mudança. O ministro se referia à dependência da conclusão dos projetos de renovação da PF, que incluíam adotar já nas próximas semanas um único sistema de comunicação para todas as polícias do país.

PF terá um novo comando.

O ministro Torquato Jardim afirmou que a nova Polícia Federal vai ser mais moderna, com mais presença no exterior, independentemente de quem assumir o novo comando.

“Seguirá o mesmo padrão. A troca das pessoas será irrelevante, seja no Ministério da Justiça, seja na Polícia Federal, seja onde for. O plano vai ficar pronto e o plano é institucional. São três nomes, não posso divulgar. Um deles obviamente é o delegado Galloro, que é o diretor executivo, tem viajado bastante comigo, que tem ajudado muito na concepção desse plano. Ele e Daiello são os dois mais próximos e mais importantes com os quais eu trabalho na Polícia Federal”, disse o ministro.

O nome de Galloro ganhou destaque por ter sido escolhido pelo governo para representar o Brasil como delegado das Américas no Comitê Central da Interpol. A proximidade com o atual diretor da PF também é considerada uma forma de evitar rupturas e supostamente  dar continuidade ao trabalho que vem sendo realizado pela polícia.

Deixe o seu comentário