22 de Janeiro de 2018 • 4:38 pm

Blogs » Fátima Almeida » Saúde

Parto humanizado, conforto para as mães e mais saúde para o bebê

O alojamento para as mães de bebês prematuros que permanecem no hospital após o parto

Por: Fátima Almeida
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Em meio a tantas noticias ruins sobre Saúde (febre amarela, filas intermináveis para a vacina, falta de vaga em hospitais…), a humanização do atendimento pós-parto anunciado pela Maternidade Nossa Senhora da Guia, unidade SUS da Santa Casa de Misericórdia de Maceió, vem como um alento para famílias de bebês que nascem prematuros ou com algum tipo de problema que os detêm internados na Unidade de Cuidados Intermediários (UCI).

Ilustração / Internet

A partir de agora, segundo a maternidade, as mães vão contar, nesses casos, com um alojamento para poder  acompanhar de perto a evolução do seu bebê, até quando ele estiver em condições de deixar o hospital.

Com isso a maternidade, que já era referencia no atendimento hospitalar infantil – com o tripé vitorioso de incentivo ao parto normal; amamentação exclusiva e parto humanizado – passa a oferecer também um ambiente confortável para alojar as mães, equipado com dez leitos, ar condicionado, tv, armários, banheiros privativos, área de serviço, três refeições por dia e com direito a acompanhamento da equipe de profissionais da maternidade e livre acesso dos pais, mesmo fora de horário de visita.

Não preciso ir muito longe para mensurar a importância desse investimento. Sobretudo para as famílias de recém-nascidos prematuros, que geralmente ficam de coração partido, quando a mãe tem que sair do hospital sem o bebê nos braços. Uma separação difícil para ela e para o pequenino ser, que necessita da atenção, do carinho especial, do peito da mãe para se fortalecer e ganhar a luta pela sobrevivência!

Tudo o que essas mães querem é ficar por perto, acompanhar, ajudar a cuidar. Mas muitas delas, vindas do interior ou de bairros distantes, vivem o drama de não ter onde ficar.

Na verdade, o anúncio da Maternidade Nossa Senhora da Guia demorou. O alojamento já é direito das mães nessa situação, desde 2012. Mas como diz o ditado, antes tarde do que nunca. E chegou avançando em conforto, um pouco além do que preconiza a Portaria Nº 930/2012, do Ministério da Saúde, que determina a implantação do  alojamento para hospedar as mães assistidas pelo SUS.

Importante para que ela tenha a tranquilidade que precisa na espera da alta do seu bebê, proporcionando uma proximidade que faz a diferença e torna o atendimento mais humano, possibilitando ao bebê uma recuperação mais rápida, preservado o seu direito à amamentação e à mãe, o direito impagável de estar perto da sua cria, amamentar, cuidar, e até ajudar outras mães e que necessitam de leite materno.

A saúde do bebê agradece. E o coração materno também.

Deixe o seu comentário