16 de Abril de 2015 • 10:36 am

Política

Paulão: CPI deve esclarecer os assassinatos de jovens negros

Por Dinez Torres  A Câmara dos Deputados instalou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a violência contra jovens negros no Brasil. O deputado Paulão (PT/AL), um dos titulares…

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
Por Dinez Torres
 CPI violênciaA Câmara dos Deputados instalou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a violência contra jovens negros no Brasil. O deputado Paulão (PT/AL), um dos titulares da chamada “CPI Jovem”, disse que é necessário esclarecer e punir os responsáveis pelos crimes ocorridos geralmente nas periferias e regiões metropolitanas dos centros urbanos.
Segundo o parlamentar, ocorre no Brasil, sobretudo em Alagoas, “um genocídio encoberto por preconceito, discriminação racial e impunidade”. Por isso, nesta terça-feira (14), Paulão sugeriu, e a CPI aprovou, visita dos deputados ao Estado, com o objetivo de averiguar melhor o assunto. A ida da Comissão a Alagoas está prevista para o final de maio.
Citando o Mapa da Violência de 2014, Paulão afirmou que o Brasil é o país que mais mata no mundo e que as maiores vítimas são jovens de 15 a 29 anos, negros, do sexo masculino “Mesmo com a redução de 10,4% no número médio de homicídios, comparado aos anos de 2011 e 2012, Alagoas continua sendo o Estado com  maior média de assassinatos no país: com 64,6 casos a cada 100 mil habitantes”, disse o deputado, lembrando que a média nacional é de 29 assassinatos para cada 100 mil habitantes.
Na opinião do petista, o agravante é que na maioria das vezes os crimes não são apurados devidamente e os autos de resistências utilizados por policiais muitas vezes acobertam casos de fuzilamento sumário de jovens. Além disso, no Brasil apenas 5 a 8% dos homicídios são levados à Justiça, proporcionando um ciclo vicioso, alimentado pela impunidade, principalmente quando as vítimas são pobres.





    

Deixe o seu comentário