6 de janeiro de 2017 • 12:10 am

Economia

PDV: Agora é a Caixa Econômica que quer demitir 10 mil funcionários

Meta da instituição é economizar R$ 1,5 bilhão por ano nas despesas com pessoal, a partir de 2018

Por: Fátima Almeida
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Antes, foi o Banco do Brasil, que no ano passado anunciou a intenção de afastar 18 mil funcionários, por meio do desligamento voluntário. Conseguiu a adesão de mais de 9 mil. Agora é a Caixa Econômica Federal que anuncia a pretensão de se livrar de 10 mil funcionários, por meio de um Programa de Demissão Voluntária (PDV).

A meta da instituição, segundo divulgou O Estadão, é economizar R$ 1,5 bilhão por ano nas despesas com pessoal, a partir de 2018. A média de gastos com a folha de pagamento da Caixa Econômica está em torno de R$ 15 bi, considerando os números de 2015 e 2016, o que significa que o número de adesões que o banco quer alcançar com o PDV é equivalente a quase 10% do total de funcionários atualmente ativos.

No ano passado, a Caixa fez um corte de aproximadamente 3 mil, dos 100 mil empregados que tinha em todo so País. Restaram 97 mil.

Os detalhes do PDV ainda estão sendo negociados, mas já se fala em possibilidades como o pagamento de 10 salários extras e a garantia de manutenção do plano de saúde por determinado tempo.

O presidente da Caixa, Gilberto Occhi, já declarou como principal desafio do banco para 2017, melhorar a eficiência, reduzindo despesas e aumentando a geração de receitas. E quando se fala em redução de despesas, geralmente a visão empresarial acaba apontando para a redução de pessoal.

MENOS AGÊNCIAS

O alto número de agências deficitárias também é foco dessa política de redução de custos. Desde 2010, a Caixa abriu 1.329 agências, para dar suporte ao atendimento de programas assistenciais e de distribuição de renda do governo federal. Hoje, a análise da direção do banco é que não se faz mais necessária toda essa estrutura, ainda mais com a mudança dos hábitos dos clientes, que cada vez mais optam pelos serviços via computador ou smartphone.

Resta saber se esses equipamentos vão substituir o atendimento de pessoas carentes que recebem pela Caixa, benefícios como o Bolsa Família.

O banco tem, atualmente, 4,2 mil agências e pontos de atendimento, cerca de 25 mil correspondentes Caixa Aqui e Lotéricos, e uma legião de clientes que chegam, via Bolsa Família e querem receber. E vai receber mais demandas, com a intensificação da procura pelo pagamento do FGTS, a partir das novas regras anunciadas pelo governo, em dezembro passado, que permitem o saque sem limite, de contas inativas até dezembro de 2015. O cronograma para liberação desse dinheiro será divulgado até o início de fevereiro e levará em conta a data de nascimento dos beneficiários, conforme divulgou o governo.

 A previsão é de que cerca de que mais de 10 milhões de trabalhadores procurem as agências da Caixa para sacar esse dinheiro.

(* – Matéria atualizada com alteração de conteúdos em 7 /01/2016).

Deixe o seu comentário