23 de junho de 2017 • 4:13 am

Blogs » Marcelo Firmino

PF prende 15 policiais por corrupção; um mal impregnado na sociedade

A corrupção não é uma exclusividade da classe política. Ela é parte do tecido social

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

A corrupção no País não é obra e graça apenas da classe política. Trata-se de um mal que brota do seio da sociedade. A mesma que reclama e pede punição para todos, mas é incapaz de fazer autocrítica dos seus atos cotidianos.

Imagine que aquele japonês da Polícia Federal que ficou famoso por conduzir políticos à prisão era um corrupto notório, que estava na ativa com vários processos de corrupção passiva e por isso mesmo acabou preso meses depois. Ainda assim desfilou no Congresso e foi homenageado como se fosse a figura mais íntegra da República.

Mas, não apenas ele. Ontem, quinta-feira, 22, a própria Polícia Federal prendeu, de uma só vez, 15 policiais rodoviários federais, todos acusados de corrupção. Foram presos em Belo Horizonte.

Junto a eles também foram levados ao xilindró mais 4 empresários do triângulo mineiro igualmente denunciados pela mesma causa.

Lá batizaram a operação policial de Domiciano. Segundo PF, a maioria dos policiais presos tem mais de 20 anos de carreira na  Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Eles cobravam a propina ao abordar os caminhoneiros nas rodovias. Costumavam remover os veículos aos pátios, os quais, já faziam parte do esquema. As vítimas pagavam os valores aos pátios, que repassavam parte do dinheiro aos policiais rodoviários.

Todos serão indiciados por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, entre outros crimes.

Os casos vão se repetindo pelos quatro cantos do País, provando que a corrupção esta impregnada no estilo de ser do brasileiro, viciado na esperteza, no jetinho para levar vantagem, na cara de pau para fular a fila, na pressa desmedida para burlar a lei.

Assim, nas bandas de cá, caminha a humanidade. Não é coisa de um ou mais partidos políticos. Está no caráter abrangente dos homens.

É triste, mas real.

Deixe o seu comentário