19 de agosto de 2016 • 3:48 pm

Bleine Oliveira » Blogs » Política

Por que a delegada Fabiana Leão foi remanejada?

O Diário Oficial do Estado desta sexta-feira, 19, traz várias mudanças na titularidade de delegacias, tanto na capital quanto no interior. Por decisão do comando da Polícia Civil, ela deve assumir as delegacias de Coqueiro Seco e Santa Luzia do Norte.

Por: Bleine Oliveira
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Há tempos o movimento de mulheres pede a criação de mais delegacias especializadas no atendimento a mulheres vítimas de violência. A luta é para que essa unidades policiais tenham pessoal qualificado e em número suficiente para atender a alta demanda.

A delegada Fabiana Leão, a quem já entrevistei inúmeras vezes, é uma das profissionais de segurança pública comprometidas com um atendimento mais humano, voltado para a especificidade da violência contra a mulher.

Ela sempre manifestou a opinião de que o número de delegacias em Alagoas é insuficiente – são apenas três em Maceió, e uma em Arapiraca. A delegada defende a ampliação do número de casas-abrigos, como mais um instrumento de apoio às vítimas de crime sexual. Em Alagoas, só a capital tem esse equipamento.

Mais ainda, defendeu que essas especializadas funcionem em regime de 24h. Não faz sentido, me disse, na última vez em que conversamos, há cerca de um mês, que o expediente termine às 2h da tarde.

“A agressão não tem hora para acontecer” – disse ele, num raciocínio simples, que todo nós referendamos.

Hoje, a surpresa. O Diário Oficial do Estado (DOE) desta sexta-feira, 19, traz várias mudanças na titularidade de delegacias, tanto na capital quanto no interior, e na lista de remanejados está a delegada Fabiana Leão. Por decisão do comando da Polícia Civil, ela deve assumir as delegacias de Coqueiro Seco e Santa Luzia do Norte.

A portaria gerou reação, pois a compreensão geral é que ela foi afastada da Delegacia da Mulher 2, onde está há vários anos, por reivindicar a ampliação do atendimento.

Se foi essa a razão, a mudança merece repúdio. Afinal, não faz sentido que um servidor público seja penalizado por reivindicar benefícios para a população, que queira contribuir com a redução da criminalidade, especificamente da violência contra mulher.

Tento contato com secretário de Segurança, coronel Lima Júnior, e com o delegado geral da PC, Paulo Cerqueira, para entender e informar aqui, o que de fato explica o remanejamento em relação à delegada Fabiana Leão.

 

 

Deixe o seu comentário